Geral

Magistrados debaterão violência contra a mulher durante encontro em Maceió


Fonte: Dicom TJ/AL

15/05/2018 13h57

Com o objetivo de debater a violência contra mulher e de gênero, o Instituto Brasileiro de Direito de Família de Alagoas (IBDFAM-AL) e o Núcleo de Promoção da Filiação  (NPF), do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJAL), realizam o 10º Encontro Alagoano de Direito de Família, e o 6º Encontro Alagoano de Direito de Filiação, simultaneamente. O evento acontecerá no dia 1º de junho, das 8h às 17h, no auditório da Escola Superior de Magistratura (Esmal). 

Confira a programação completa

No evento, palestrarão magistrados, promotores, advogados, entre outras autoridades. A primeira palestrante será a juíza Ana Florinda, presidente da Comissão de Violência contra Mulher e de Gênero do IBDFAM de Alagoas e vice-presidente do Instituto. Ela abordará as perspectivas da nova comissão do IBDFAM.

Em seguida, a desembargadora do TJAL Elisabeth Carvalho, coordenadora da comissão de combate a violência doméstica e familiar contra a mulher, falará sobre a importância da Comissão. O juiz José Miranda Santos Júnior, subcoordenador do mesmo órgão, tratará das várias maneiras de agir perante a violência doméstica e as novas ações do Poder Judiciário de Alagoas.

O juiz Wlademir Paes de Lira, presidente do IBDFAM/AL, também palestrará, falando sobre a possibilidade, procedimento e efeitos da mudança de nome e gênero no registro civil.

Já a capitã da Polícia Militar de Alagoas (PM/AL) e responsável pelo comando da Patrulha Maria da Penha, Márcia Danielle Asunção, trará os impactos do projeto, implantado em Alagoas em parceria com Judiciário.

Inscrições

As Inscrições custam R$30 (inteira) e R$ 15 (meia), e podem ser realizadas no CJUS Cidadania e NPF, respectivamente, salas 7 e 10, no Fórum do Barro Duro.

Sobre o IBDFAM

O Instituto é uma entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, que tem o objetivo de desenvolver e divulgar o conhecimento sobre o Direito das Famílias, além de atuar como força representativa nas demandas sociais que recorrem à Justiça.



Compartilhe