a Após fortes chuvas, em grande parte do território alagoano, Hospital Helvio Auto alerta para os riscos de leptospirose | Jornal de Alagoas

Geral

Após fortes chuvas, em grande parte do território alagoano, Hospital Helvio Auto alerta para os riscos de leptospirose



30/01/2019 15h12

Os riscos de contaminação por leptospirose aumentam consideravelmente após tempestades de verão, como as que ocorreram nesta segunda-feira (28) em grande parte do território alagoano. A forma mais comum de contágio é por meio da água contaminada com urina de rato, que normalmente se encontra nos esgotos a céu aberto – quando esses esgotos recebem águas das chuvas que não escoam devidamente, acabam gerando alagamentos com contaminação.

 

 

Em 2018, o Hospital Escola Dr. Helvio Auto (HEHA), unidade assistencial da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) que é referência no tratamento de doenças infectocontagiosas no estado, recebeu um total de 48 casos suspeitos da doença. Os meses de março, abril e maio do ano passado tiveram maior incidência de notificações de infecções causadas pela leptospira.

 

 

Além do contato com a água contaminada após chuva, as pessoas também podem contrair por meio de limpeza de fossa ou de esgotos domésticos. “Às vezes recebemos pacientes que realizaram limpezas domésticas sem o uso adequado de proteção e acabaram contraindo a doença”, explicou a gerente-médica do Hospital Escola Dr. Helvio Auto, Luciana Pacheco. Nestes casos, a água da chuva não é o veículo de contaminação, uma vez que esgotos e fossas normalmente podem conter urina de roedores infectados.

 

 

A infecção se dá por contato da pele com lesões, ou até mesmo saudável, com a água contaminada. “Alguns estudos mostram que mesmo que a pessoa apresente a pele saudável, mas fique muito tempo exposta à água contaminada, também pode contrair a doença, uma vez que o contato prolongado acaba facilitando a penetração da leptospira na pele”, esclareceu Luciana Pacheco, que também é professora em infectologia.

 

 

Sintomas

 

 

O período de incubação da doença é de 7 a 10 dias após o contato, depois disso a pessoa pode começar a apresentar os sinais da doença que normalmente são febre alta, dor localizada em alguns grupos musculares, principalmente na região das panturrilhas, e dor de cabeça.

 

 

Ao aparecimento dos sintomas, é necessário procurar rapidamente uma unidade de saúde para investigação. Se a suspeita for confirmada, o paciente será transferido para o Hospital Escola Dr. Helvio Auto, referência no tratamento de leptospirose em Alagoas.

 

Evolução e prevenção da doença

 

 

Se os sintomas não forem combatidos no início do quadro infeccioso, a leptospirose pode evoluir para uma segunda fase, onde o paciente apresenta invasão do fígado e dos rins, então ele ficará com os olhos amarelados e apresentará pouca eliminação de urina, o que pode agravar bastante o quadro.

 

 

Para se prevenir, é necessário evitar ao máximo o contato com água parada decorrente de alagamentos, pois ela pode estar contaminada por água de esgoto, local onde vivem roedores que podem estar contaminados com a leptospira.

 

 

“Quando é uma questão de risco ocupacional, de pessoas que trabalham em ambientes propícios à água contaminada e que precisem estar em contato por muito tempo com a água, orientamos o uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como luvas e botas de cano alto, para evitar a contaminação”, concluiu a infectologista Luciana Pacheco.

 

 

Se, mesmo assim, o indivíduo manteve contato com água que pode estar contaminada, o ideal é, assim que possível, lavar cuidadosamente o corpo inteiro para retirar qualquer resíduo de lama, por exemplo, e ficar atento ao aparecimento de qualquer sintoma de infecção.

 


Compartilhe