a Cláudia Petuba deve explicações ao governo de AL | Jornal de Alagoas

Geral

Cláudia Petuba deve explicações ao governo de AL


Fonte: Blog do Edivaldo Junior

14/08/2019 10h14

A Secretaria de Estado do Esporte, Lazer e Juventude devolveu em julho passado R$ 828 mil para o governo federal.

Os recursos de convênio com a União, seriam utilizados no projeto Brincando com Esporte. Um programa destinado a criança e adolescentes de 9 municípios alagoanos.

No total, segundo reportagem do Gazetaweb, a Selaj devolveu, desde 2015, R$ 2,5 milhões ao governo federal de recursos de convênios que não foram executados.

A assessoria da Selaj confirmou à reportagem a devolução, mas não deu nenhuma explicação.

A devolução de recursos ganhou forte repercussão na Assembleia Legislativa de Alagoas. Em discurso, o deputado estadual Davi Davino Filho cobrou explicações da secretária Cláudia Petuba.

“Devolver qualquer recurso federal em um Estado tão pobre como o nosso é um fato muito grave. Mais grave ainda quando se trata de projetos como o Brincando com Esporte, desenvolvido para atender as crianças e adolescentes”, afirmou.

Davino foi aparteado por vários deputados: Davi Maia (DEM), Bruno Toledo (PROS), Cabo Bebeto (PSL), Yvan Beltrão (PSD), Léo Loureiro (PP), Francisco Tenório (PMN), Marcelo Beltrão (MDB), Cibele Moura (PSDB). Todos, à exceção do líder do Governo, Sílvio Camelo (PV), cobraram explicações de Cláudia Petuba.

Coincidência ou não, a repercussão na Assembleia Legislativa se deu praticamente ao mesmo tempo em que a Selaj distribuia patrocínios de R$ 1,2 milhão e R$ 1,5 milhão para CRB e CSA.

A Selaj ignorou até agora a forte repercussão da reportagem e os pronunciamentos na Assembleia Legislativa. Mas não deve continuar assim por muito tempo. Os deputados já sinalizaram que vão convocar a secretária para explicar “cara a cara” a devolução de recursos.

Cláudia Petuba deve explicações, não só aos deputados estaduais e ao governo, mas principalmente ao cidadão alagoano. Devolver recursos para a União não é uma boa prática, ainda mais quando se trata de um Estado tão pobre quanto Alagoas.



Compartilhe