Interior

Restaurantes adotam medida sustentável


Fonte: AMA AL

20/08/2018 09h42

Uma cooperativa formada por dez pessoas e com um único objetivo: transformar óleo de cozinha usado em sabão em barra e sabão líquido, dando a destinação correta do resíduo e gerando renda. Este é o trabalho da Cooperativa de Reciclagem de Óleo de Cozinha de Marechal Deodoro (CooperÓleo). O projeto é apoiado pela Prefeitura de Marechal Deodoro, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, Saneamento, Pesca, Agricultura e Aquicultura, que realiza a coleta em estabelecimentos de Marechal Deodoro.

A iniciativa surgiu a partir de um projeto desenvolvido pela presidente da CooperÓleo, Joseneide Oliveira, quando participou de um projeto desenvolvido pelo Instituto Federal de Alagoas (IFAL). No início do projeto foram recolhidas quatro toneladas de óleo de cozinha nos restaurantes da Praia do Francês e da Orla Lagunar.

A partir disso, a gestora ambiental conta que decidiu que, mesmo após se formar e sair do IFAL, não iria parar com o projeto. “Quando eu vi a quantidade de óleo que recolhemos nos estabelecimentos do município, eu decidi que não deveria parar com o projeto, porque quatro toneladas de óleo destinados de forma errada prejudicam demais o meio ambiente. Então decidi procurar a Secretaria de Meio Ambiente e recebi total apoio da Prefeitura de Marechal Deodoro”, disse.

Sabendo da importância do projeto, a Prefeitura de Marechal Deodoro, através da Secretaria de Meio Ambiente, se uniu à Joseneide, e firmaram uma parceria e montaram a CoopeÓleo. Além disso, o município cedeu um espaço para ser a sede da Cooperativa, um local usado para fabricar o sabão, armazenar o óleo recolhido dos bares e restaurantes, além de ser um ponto de entrega de óleo usado pela população.
Destinação correta do resíduo e preservação ambiental

O descarte incorreto do óleo de cozinha ocasiona sérios problemas ao Meio Ambiente. Um dos problemas é a diminuição de oxigênio dissolvido na água e o entupimento das tubulações nas redes de esgoto.

Além de evitar estes problemas ambientais, a coleta realizada incentiva a reciclagem e evita que mais litros de óleo sejam descartados de maneira incorreta.

A cada litro de óleo descartado incorretamente, cerca de 20 mil litros de água são contaminados. Com o recolhimento do óleo, o projeto já evitou que cerca de sete milhões de litros de água sejam poluídos a cada quinze dias.

A ideia da Secretaria Municipal do Meio Ambiente é que, o sabão produzido seja usado pelos órgãos municipais, gerando economia para a Prefeitura de Marechal Deodoro.
Para o Secretário de Meio Ambiente de Marechal Deodoro, Mateus Gonzalez, este é um trabalho diferenciado e que a Prefeitura dá todo o apoio e estrutura necessária.

“Estamos reciclando um óleo que seria descartado incorretamente e que causaria diversos problemas para o meio ambiente. Então dessa forma, conseguimos preservar o meio ambiente e garantir emprego e renda para os cooperados. Esse é um trabalho diferenciado e que a prefeitura dá total apoio. A cooperativa já coletou mais de 10 toneladas de óleo que teve sua destinação correta e gerou renda para os deodorenses cooperados”, disse.
Coleta, cadastro e preços

A cada quinze dias, os cooperados vão nos estabelecimentos já cadastrados da Praia do Francês e do Centro Histórico, recolher o óleo usado. Em cada coleta, são recolhidos uma média de 300 litros de óleo. Alguns estabelecimentos chegam a entregar mais de cem litros.

De acordo com a presidente da cooperativa, Joseneide Oliveira, o intuito é que mais estabelecimentos possam participar da rota de coleta, para aumentar ainda mais a preservação do Meio Ambiente.

“Nosso objetivo é que mais estabelecimentos possam se cadastrar. Nossa meta é expandir a coleta para os restaurantes da Massagueira e outros povoados. Recebemos todo o apoio necessário da Prefeitura de Marechal Deodoro, que já nos garantiu que o material que produzimos será utilizado nos órgãos do município”, disse.

O material recolhido fica armazenado na CooperÓleo e, também a cada quinze dias, se transformam em sabão em barra e líquido, tudo feito de forma artesanal. Todo o material produzido é vendido. Parte é comprado pelos mesmos estabelecimentos que doam o óleo e o restante fica exposto na sede da cooperativa para a venda no varejo e atacado. A CooperÓleo fica localizada na Orla Lagunar, próximo à Igreja de São Pedro, nos fundos da Colônia de Pescadores.

Para participar da rota da coleta, é necessário que o estabelecimento ou a residência, realize um cadastro na Cooperativa do Óleo ou na Secretaria de Meio Ambiente. Para fazer o cadastro, é necessário portar do CNPJ, endereço, nome do estabelecimento e telefone para contato. Os interessados podem se dirigir a CooperÓleo, ou na Secretaria de Meio Ambiente, localizada na Avenida Caravelas, na Praia do Francês.

Os preços dos materiais produzidos variam de acordo com a quantidade. Uma barra custa R$1, já o sabão líquido, o preço é de R$2. Os materiais são vendidos em grandes quantidades, sendo assim, cinco litros de sabão liquido, sai por R$10,00.



Compartilhe