Municípios

Fetag-AL cobra gestão para o Canal do Sertão em audiência pública


Fonte: Assessoria

06/05/2019 16h30

Agricultores familiares e dirigentes de entidade ligadas ao setor agropecuário alagoano participaram, nesta segunda-feira, 06, de uma audiência pública realizada na Assembleia Legislativa do Estado de Alagoas – ALE. Na pauta do encontro um debate sobre a gestão do Canal do Sertão. A audiência foi proposta pelo deputado Inácio Loyola.

“Na nossa visão, o canal é penalizado com a falta de gestão. Ele está abandonado com os rebanhos pastando ao seu redor e com os pés de algaroba crescendo junto as paredes de estruturação da obra. Isso é muito preocupante”, declarou o presidente da Federação dos Trabalhadores Rurais e Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado de Alagoas (Fetag/AL), Givaldo Teles.

De acordo com o dirigente sindical, outro problema está na burocracia do governo estadual na liberação da outorga da água. “Com isso, o agricultor familiar não tem acesso ao crédito já que a outorga é uma exigência feita pelos bancos para liberar os recursos. A situação está um caos. É preciso que o Estado tome conta de fato e de direito do Canal do Sertão”, alertou.

O dirigente sindical lembrou ainda que a obra conta com uma área construída de 120 km e que, segundo ele, está sem gerência. ”Não existe uma empresa ou uma secretaria responsável para fazer os agricultores produzirem alimentos, gerando emprego e renda no campo”, afirmou.

O deputado Davi Maia, que participou da audiência pública e que recentemente fez uma visita ao Canal do Sertão, destacou a importância da obra para a agricultura alagoana e, em especial, para a região do Sertão.

“É a única obra hídrica que pode mudar a realidade do sertão do Estado. Estão sendo desperdiçados recursos que já foram investidos. Afinal, o canal foi feito e se tornou o segundo maior rio de Alagoas. Infelizmente, o poder público não tem dada a devida atenção. Falta gestão, investimento e políticas públicas de assistência técnica ao pequeno produtor rural. Nem acesso a outorga de água eles estão tendo direito. Sem ela, a água não pode ser retirada do canal”, declarou Maia.

Para o secretário de Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura de Alagoas, Ronaldo Lessa, o Canal do Sertão é um assunto de suma importância para o Estado. “Tanto é que a audiência pública contou com dez deputados, além de ter reunido a representatividade técnica e dos trabalhadores rurais e do agronegócio. O canal já recebeu investimentos superiores a R$ 1 bilhão. Agora, ele precisa de projetos alternativos. Já existe um certo uso ao redor do canal. É preciso transformar isso em riqueza, produção, irrigação, tecnologia e assistência técnica. Tudo isso vai fazer com que o canal dê resultados”, destacou.

Lessa afirmou ainda que existe um projeto para o canal que já foi aprovado e que aguarda apenas recursos para que possa ser colocado em prática. “Mas, há outros que estão sendo trabalhados e um deles é com a Sedetur para atrair empresários em um perímetro na região de São José da Tapera”, finalizou o secretário.



Compartilhe