a Cadastro de moradores está abaixo do esperado | Jornal de Alagoas

Municípios

Cadastro de moradores está abaixo do esperado


Fonte: Defesa Civil

17/07/2019 14h06

A prefeitura de Maceió, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), realiza o cadastramento para o aluguel social dos moradores do Mutange e da encosta do Jardim Alagoas. A ação começou no dia 10 de julho, e até a terça-feira (16), 627 moradores haviam se registrado, porém 1.40 pessoas ainda precisam se cadastrar.
 
O prazo foi prorrogado e a ação continua até sábado (20). O horário de atendimento é das 9h às 15h, na Escola Municipal Edécio Lopes, localizada na Rua Pedro Suruagy - Antiga Antônio Procópio. A partir desta quinta (18), será distribuidas 300 fichas diárias para atendimento.
 
Emy Oliveira, assistente social da Semas, afirmou que a pesar do dia movimentado, o número de cadastros continua pequeno se comparado com o previsto pela Prefeitura de Maceió.
 
“Foram feitos 627 cadastros, mas a previsão é cadastrar 1.667 moradores. É uma área considerada de extremo risco pelo Serviço Geológico do Brasil, a CPRM, e pela Defesa Civil. O objetivo é retirar essas pessoas para que elas possam alugar um imóvel em uma área segura. Após essa etapa de cadastramento, divulgaremos o banco que os moradores precisam procurar para receber o aluguel social”, pontuou.
 
O representante do Núcleo de Defesa Civil (Nudec), Alex da Silva, conta da dificuldade em mobilizar os moradores do bairro. “Nos primeiros dias quase não houve adesão. Infelizmente, havia uma grande resistência e só nestes últimos dias de cadastro é que estamos tendo essa resposta e vendo as pessoas comparecerem. A área é de risco e precisa ser evacuada. Essa é a mensagem que estamos passando para os moradores da região”, detalhou.
 
Ao todo, serão contempladas 1.667 responsáveis por moradias de 22 ruas da área identificada pela cor rosa claro no Mapa de Setorização de Danos. A área é considerada muito crítica, conforme os relatórios técnicos do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), que recomenda a desocupação.


Compartilhe