a Diabetes cresce 24% em 10 anos, diz IBGE | Jornal de Alagoas

Nacional

Diabetes cresce 24% em 10 anos, diz IBGE


Fonte: Notícias Ao Minuto

29/10/2019 14h13

Pesquisa do Ministério da Saúde em parceria com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostra que de 2008 a 2018 o diagnóstico do diabetes cresceu 24% entre brasileiros com 18 anos ou mais, ou seja, saltou de 6,2% para 7,7%.

Entre mulheres o número é ainda maior, e atinge 8,1% da população feminina, contra 7,1% dos homens. A idade também é um fator determinante: dos 45 aos 54 anos é de quase 10%, índice que salta para 23% aos 65 anos ou mais.

De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto do Instituto Penido Burnier a doença pode aumentar em até 25 vezes o risco de perda definitiva da visão. A boa notícia é que 88,7% dos diabéticos no País fazem tratamento medicamentoso para controlar a doença, segundo a pesquisa.

A má é que um levantamento realizado por Queiroz Neto mostra que 47% dos brasileiros entre 25 e 65 anos só consultam um oftalmologista quando sentem alguma dificuldade para enxergar. A maioria das doenças oculares não apresenta sintomas logo no início, adverte.  “A hiperglicemia predispõe a alterações na retina. Por isso requer diagnóstico precoce para manter a visão.  A falta de acompanhamento oftalmológico regular faz mais da metade dos diabéticos corre risco de cegar”, explica.

 Retinopatia diabética

O especialista afirma que quanto maior o tempo convivendo com o diabetes, até pessoas com glicemia bem controlada por medicamentos e dieta balanceada correm risco de contrair retinopatia.  Por isso, quem tem diagnóstico da doença deve fazer exame oftalmológico anualmente.  Na consulta, o especialista percebe se o diabetes está causando alguma alteração na retina, antes dos primeiros sintomas, pelo exame de fundo de olho. “O tratamento pode ser feito com aplicação de laser, medicamento dentro do olho e em alguns acaso pela associação dessas duas terapias. Evita a perda irreparável da visão em 90% dos casos”, salienta.

Catarata

 

O médico explica que os depósitos de glicemia nas paredes do cristalino, lente interna do olho, somados às oscilações glicêmicas, comuns entre diabéticos, aumentam a formação de radicais livres, aquelas moléculas que em excesso danificam as células. Por isso, o diabetes dobra o risco de contrair catarata, afirma.

Apontada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como a maior causa de cegueira tratável no mundo, a catarata responde por 49% dos casos de perda da visão entre brasileiros. Geralmente está associada ao envelhecimento e quanto mais avança maior a dificuldade de enxergar, até a completa cegueira.

O único tratamento é a cirurgia. A operação substitui o cristalino opaco por uma lente intraocular transparente. Deve ser feita antes da completa opacificação do cristalino, especialmente entre diabéticos. “Se a doença estiver muito avançada o oftalmologista não consegue enxergar as alterações na retina. Para quem tem diabetes isso pode significar a perda permanente da visão”, alerta.

Olho seco

Queiroz Neto afirma que o diabetes também provoca o maior ressecamento da lágrima, que tem a função de proteger a superfície dos olhos.  Os sintomas são vermelhidão, ardência, visão embaçada, coceira e maior sensibilidade à luz. Os sintomas são mais frequentes   nos períodos de seca. O tratamento padrão para a síndrome, explica,  é o uso de colírio lubrificante. Mas não vale usar qualquer um porque as fórmulas variam para agir em uma ou mais camadas da lágrima: aquosa, proteica e lipídica.

A dica do médico é procurar beber bastante água e incluir na alimentação fontes de ômega 3 encontrados na sardinha, bacalhau, salmão e semente de linhaça. Aplicações de luz pulsada que estimulam a produção da camada lipídica e por isso diminuem a evaporação da lágrima, são a última palavra para eliminar o desconforto, conclui.



Compartilhe