a Dia nos Namorados injetará R$ 28,7 milhões na economia | Jornal de Alagoas

Negócios

Dia nos Namorados injetará R$ 28,7 milhões na economia


Fonte: Assessoria

05/06/2019 17h49

A uma semana para a celebração do Dia dos Namorados, 53,6% dos maceioenses entrevistados devem presentear na data, conforme sinaliza a pesquisa de Intenção de Compras para o Dia dos Namorados realizada pelo Instituto Fecomércio AL. É a menor intenção de compras da série histórica dos últimos três anos.  Em Maceió, o gasto médio com presentes está estimado em R$ 137,31 e a expectativa de consumo médio apenas em presentes para celebrar a data é de R$ 14,2 milhões.

Já em relação às comemorações, o gasto médio deve girar em torno de R$ 123,32 e, de acordo com o levantamento, 63% dos entrevistados pretende levar o parceiro para uma saída comemorativa. O Instituto Fecomércio estima que o consumo médio será de R$ 14,5 milhões. “O hábito de presentear e comemorar a data impacta positivamente nos setores do Comércio e de Serviços, gerando um pico de consumo atípico para o período. Em Maceió, R$ 28,7 milhões de reais devem circular nestes setores”, analisa Felippe Rocha, assessor econômico da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Alagoas (Fecomércio AL).

DADOS

De acordo com a pesquisa, o 46,4% dos entrevistados que não irão presentear disseram que não têm a quem entregar o presente (47,4%) ou não têm o costume de dar presente (16,1%). Outros não irão consumir pelo fato de estarem desempregados (12,2%), por comemorarem a data de outra forma (10,9%) ou porque estão mais cautelosos (6,5%). O endividamento foi o motivo apontado por 7%.

Já entre os que irão presentear (53,6%), 61,62% comprarão um item; 25,9% pretendem adquirir dois; 5,9% vão investir em três presentes e, 3,69%, em quatro; mesmo percentual registrado entre os que pretendem presentear o enamorado com cinco ou mais presentes.

O valor desembolsado será de R$ 50 para 21,85% dos entrevistados; entre R$ 51 e R$ 100 para 32,22%; entre R$ 101 a R$ 150 para 20%; entre R$ 151 a R$ 200 para 11,85%; entre R$ 201 a R$ 250 para 5,19%. Ainda de acordo com a pesquisa, 5,93% dos entrevistados devem gastar acima de R$ 400 com presente.

Os itens de vestuários serão a preferência entre 38,38% dos enamorados, seguidos por calçados (18,8%) e perfumes/cosméticos (10,33%). Mas a lista também inclui bijuterias e joias (5,90%); bolsas e acessórios (5,17%); eletrônicos e eletrodomésticos (4,80%); cestas de café da manhã (3,69%); livros (2,21%); flores (1,85%) e produtos de sexy shop (1,48%). Ursos de pelúcia e viagens serão a opção para 0,74% dos entrevistados.

As lojas dos shoppings (59,4%), do Centro (21%) e de galerias ou comércios de bairros (8,5%) serão os locais de compra mais movimentados no período. Já 7% vão consumir em lojas virtuais. E em tempos de economia oscilante, a promoção apareceu como o motivo principal estimular o consumo em 22,06% dos entrevistados, fazendo-os entrar na loja, seguido dos preços (21,69%), conforto (13,97%), praticidade (13,60%), proximidade (11,76%), variedade (5,88%) e qualidade dos produtos (5,51%).

Quanto à forma de pagamento, a opção escolhida será a vista/dinheiro (37,74%), cartão de crédito/parcelado (28,68%), cartão de crédito/rotativo (16,23%), a vista/cartão de débito (15,9%), cheque (1,13%) e carnê de loja (0,75%). Os casais devem comemorar a data almoçando/jantando em casa (35,96%), em restaurantes (33,44%), cinema (11,36%), hotel/motel (5,99%), viagem (3,47%), entre outros. Essa comemoração deverá custar entre R$ 51 a R$ 100 (33,96%), até R$ 50 (22,4%), entre R$ 101 a R$ 150 (21,77%), entre R$ 201 a R$ 250 (12,30%) e outros valores.

PERFIL

Do total de entrevistados, 53,8% são do sexo masculino e 46,2% do sexo feminino. 39,5% dos entrevistados têm idade entre 25 e 34 anos; 32,4% têm entre de 18 a 24 anos; e 17,4%, entre 35 e 44 anos. A maioria possui o ensino médio (54,5%), seguido de nível superior (26,5%), técnico (10,1%), ensino fundamental (6,7%) e pós-graduação (2,2%).

O perfil da renda dos entrevistados aponta para entre dois e cinco salários mínimos (63,8%), entre seis e dez salários mínimos (8,7%), até um salário mínimo (25,5%) e acima de dez salários (2%).

O levantamento foi realizado de 29 a 31 de maio. A pesquisa completa está disponível no endereço site do Instituto Fecomércio AL.



Compartilhe