Política

Temer recua, contraria Maia e Eunício e decide viajar ao Paraguai


Fonte: Notícias ao Minuto

08/08/2018 17h00

O presidente Michel Temer recuou e decidiu nesta quarta-feira (8) que vai ao Paraguai no próximo dia 15 para a posse do presidente eleito do país, Mário Abdo Benítez.

A decisão contraria os presidentes do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que terão de deixar novamente o território brasileiro em plena campanha eleitoral. Os dois tentam se reeleger em seus estados.

Os dois presidentes do Legislativo conversaram na terça-feira (7) e Maia foi ao Palácio do Alvorada nesta manhã para dialogar com Temer. A informação de que Temer viajará foi divulgada durante o encontro desta quarta.

O presidente da República havia desistido da viagem da próxima semana e também de uma que faria no dia 7 de agosto para a Colômbia, onde participaria da posse do sucessor de Manuel Santos na Presidência, Iván Duque, eleito em abril.

Toda vez que Temer viaja, Maia e Eunício são os sucessores na linha presidencial já que o país não tem atualmente um vice-presidente.

Entretanto, pelo calendário eleitoral, desde abril, eles estão impedidos de ocupar interinamente o Palácio do Planalto para não se tornarem inelegíveis para novos mandatos como deputado e senador.

Nesses casos, quem tem assumido o cargo é a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia.

Os dois congressistas já foram forçados a fazer quatro viagens para o exterior desde abril deste ano.

Na terça-feira, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo), já havia indicado que Temer poderia mudar de ideia e resolver viajar, o que foi confirmado pelo Planalto nesta manhã.

"Sabemos do transtorno que hoje representa para os presidentes da Câmara e do Senado, não só pessoalmente, mas para o funcionamento das Casas, uma viagem presidencial", afirmou Marun.

"Todavia, haja vista o nível das relações entre Brasil e Paraguai, haja vista esta longa história de amizade e cooperação, o presidente está, sim, avaliando a possibilidade e até a necessidade de estar presente na posse do presidente eleito", disse o ministro.

Segundo auxiliares do presidente, Temer decidiu viajar após ver que o esforço concentrado de Maia e Eunício não inclui propostas consideradas polêmicas, como o projeto de lei que viabiliza a privatização de distribuidoras da Eletrobras, em discussão no Senado.

Na entrevista concedida na terça, Marun afirmou que os projetos das distribuidoras e de cessão onerosa continuam sendo as prioridades do governo, que quer que os textos sejam votados ainda em agosto. Com informações da Folhapress. 



Compartilhe