a Renan Filho segue fazendo alianças para eleições 2020 | Jornal de Alagoas

Política

Renan Filho segue fazendo alianças para eleições 2020


Fonte: Blog do Edivaldo Junior

09/08/2019 17h25

O grupo do governador Renan Filho ainda não possui um nome para candidatura nas eleições para a prefeitura de Maceió. O principal nome é o procurador Alfredo Gaspar de Mendonça Neto. Nos bastidores, no entanto as apostas de que ele não será candidato estão em alta.

Em Arapiraca a opção é o deputado estadual Ricardo Nezinho (MDB). O futuro dos outros municípios ainda é incerto – principalmente nos maiores, após Arapiraca e Maceió.

Em Palmeira dos Índios, RF tem três grupos (Júlio Cezar, Ângela Garrote e James Ribeiro) para escolher um. Em Marechal Deodoro, terá que optar entre os grupos de Cacau Filho e Cristiano Mateus.

Em Coruripe, se não houver acordo, o palanque ficará dividido entre o grupo do deputado estadual Marcelo Beltrão (MDB) e do deputado federal Marx Beltrão (PSD).

Em São Miguel dos Campos, será preciso escolher entre um nome da família Pereira e o grupo do ex-prefeito Geroge Clemente (PSD).

A situação parece mais confortável em Penedo, onde o nome a ser apoiado será o atual vice-prefeito Ronaldo Lopes (MDB). Nenhum problema também em Santana do Ipanema. Lá o atual prefeito, Isnaldo Bulhões (MDB) deve disputar a reeleição.

A situação também é “tranquila” para o governador em Delmiro Gouveia. Lá, se for candidato, Lula Cabeleira (MDB) terá o apoio do governador.

Em União dos Palmares, Renan Filho deve ficar mais uma vez com o atual prefeito Kil Freitas, que tem direito a concorrer à reeleição.

Em Campo Alegre e Teotônio Vilela, não há muito espaço para disputa. A família Pereira deve vencer as eleições nos dois municípios sem maiores dificuldades – independente dos nomes que lançar.

Em Rio Largo, a situação segue complicada – como sempre. A oposição pode se unir contra Gilberto Gonçalves. E se isso ocorrer, o candidato terá o apoio do governo. Do contrário, é provável que o governador apoie um, dois ou mais candidatos, mas sem “subir” no palanque.



Compartilhe