Política

Renan Filho apoia congelamento de salários e pede sanção de auxílio a Estados


Redação
Fonte: Jornal de Alagoas com UOL

21/05/2020 22h55

Em entrevista ao UOL, nesta quinta-feira (21) Renan Filho repercutiu a reunião de governadores com o presidente Jair Bolsonaro. O encontro, explicou o governador de Alagoas teve como pauta específica a sanção do auxílio emergencial para Estados e municípios, aprovado pelo Congresso Nacional, que prevê a transferência de R$ 125 bilhões, através de recursos diretos e suspensão do pagamento de dívidas com a União.

Segundo o governador, os governadores decidiram apoiar o provável veto parcial ao projeto, que ampliaria o congelamento do reajuste salarial para servidores públicos. Estados e municípios, como contrapartida, ficariam proibidos de dar aumentos ao funcionalismo até o final de 2021.

Durante a entrevista, com correspondente do UOL em Alagoas, Carlos Madeio, realizada após a videoconferência entre Bolsonaro e os governadores, Renan Filho explicou que a maioria decidiu apoiar o congelamento.

“A reunião foi importante, sobretudo porque contou com presidente da república, o presidente do Congresso Nacional, o presidente da Câmara dos Deputados e os 27 governadores do Brasil, além de boa parte do ministério do presidente Jair bolsonaro. A reunião foi rápida, tranquila, em que o presidente sobretudo gostaria de ouvir dos governadores acham da possibilidade no projeto de proibir aumento aos servidores, se isso teria apoio ou não apoio”, disse Renan Filho.

“Os governadores disseram a ele (Bolsonaro) por meio do governador Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul), que foi o escolhido por nós para fazer a interlocução nessa reunião, para evitar que todos os 27 governadores falassem, que em caso de veto, os governadores do Brasil por maioria apoiariam a decisão. Esse auxílio emergencial é muito importante”, afirmou o governador.

Renan Filho disse ainda que durante a reunião “ficou claro também que é fundamental que o governo federal agilize o repasse de recursos para os estados, até porque alguns estados brasileiros vivem momentos de muita dificuldade, para fazer frente as necessidades da saúde para manter os investimentos e para manter as contas em dia, inclusive salários de servidores. Por isso essa reunião foi importante a gente espera que ela tenha consequência prática rapidamente”.

O governador explicou, ainda, não foram tratadas outras questões, especialmente as consideradas polêmicas “durante o encontro, temas polêmicos do momento, como isolamento social e uso de determinados medicamentos, não foram discutidos”.

Veja vídeo:

Veja abaixo o vídeo da entrevista no Uol.

 



Compartilhe