Pop & Arte

Obra de romancista suíço é lançada pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos


Fonte: Agência Alagoas

05/10/2017 10h08

Trazer obras literárias reconhecidas mundialmente para o seu catálogo e aproximar, cada vez mais, os alagoanos de obras completas.  Essas são algumas das vertentes com que a Imprensa Oficial Graciliano Ramos, vinculada à Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), tem trabalhado durante a 8ª edição da Bienal Internacional do Livro de Alagoas.

Um bom exemplo disso foi o lançamento do livro A História do Soldado, do romancista suíço Charles-Ferdinand Ramuz e do compositor russo Igor Stravinsky, traduzida pelo poeta alagoano Marcos de Farias Costa, realizado pela editora em seu estande.

“Além de ser uma obra muito interessante e, principalmente, histórica, A História do Soldado foi traduzida por um poeta da terra. É um importante livro para o nosso catalogo e, sem dúvidas, é um lançamento que marca esta Bienal”, explica Patrycia Monteiro, coordenadora editorial da Imprensa Oficial Graciliano Ramos.

No enredo, do livro o diabo, um dos grandes personagens que ilustram a história, põe em xeque o soldado, que encarna a crítica das armas, num conto de fadas que se vira contra a utópica civilização ocidental cristã e branca.

Engana-se, no entanto, quem acha que a obra foi traduzida de uma vez só. O tradutor, nascido em Maceió, conta que o processo começou lá em 1986, quando o maestro argentino Oswaldo Lupi o convidou para levar a história para os palcos teatrais alagoanos.

“Comecei esse processo de tradução há quase três décadas, mas acabei deixando-o de lado durante muitos anos. Encontrei o material durante uma reforma de maneira muito espontânea. Para ser sincero, nem lembrava que havia começado. Depois que me deparei com o texto, imediatamente enviei uma carta para a família o poeta na Suíça e, para minha surpresa, recebi a autorização para continuar a tradução”, conta o escritor, Marcos de Farias Costa.

Ligação com o teatro

A obra também possui uma relação muito forte com o teatro.  Segundo conta o tradutor do livro, o manuscrito se trata, principalmente, de um conto de fadas fáustico para cena e palco. “Com ingredientes fantásticos de uma fábula popular, o livro, sobretudo, possui uma relação muito próxima ao teatro. Lança-lo pela Imprensa Oficial é uma honra e, por isso, estou muito feliz”, completa o Marcos.

Para conferir o livro e a programação completa de lançamentos, basta acessar o site oficial da Imprensa Oficial Graciliano Ramos (www.imprensaoficialal.com.br) ou visitar o stand da editora na Bienal.



Compartilhe