Pop & Arte

Mulheres participam de foto oficial da academia Alagoana de Letras


Fonte: Gazeta Web

13/03/2019 15h08

Beirando o centenário, a Academia Alagoana de Letras (AAL), entidade literária máxima do Brasil no estado, nesta quarta-feira (13), fez o registro da quarta fotografia oficial dos seus membros. A academia, em novembro deste ano, estará completando 100 anos e, neste período, a foto de hoje é a primeira em que aparecem mulheres como membros. 

Ainda compondo este momento histórico, outro detalhe chamou atenção. Além de ser a primeira vez em que mulheres aparecem na fotografia, foi, também, a primeira vez que uma mulher fez o registro oficial dos membros da entidade. A fotógrafa Millena Lima foi quem capturou o momento que deve ficar emoldurado por toda a história da academia. As outras três fotografias oficiais são de 1919 (data da fundação), 1929 e 1969. Último registro foi feito há 50 anos. 

A AAL é composta por 40 membros e, entre eles, oito são mulheres. "Na disposição da fotografia, as mulheres ficarão na frente, sentadas no famoso banco nomeado de 'namoradeira' e os homens por detrás", apontou Restand Lanverly, presidente da academia, momentos antes do registro. 

 

"O ingresso das mulheres na academia, para nós, é um avanço. Elas sempre existiram com a sua inteligência exuberante na história da humanidade e é uma pena que há cem anos os homens tinham um poder maior de movimentação social. Agora, estamos incentivando que as mulheres se candidatem como membros da academia. Quando surge uma vaga, com o falecimento de um sócio, após passado o período de luto, convocamos a eleição e as mulheres têm que se encorajar para compor essa casa", pontuou o presidente da academia. 
Os sócios - como também são chamados os membros - têm compromissos com a casa e, mensalmente, devem pagar o valor de R$ 150 para a manutenção da academia e participar das atividades. A academia tem quatro imóveis, dois deles estão alugados e os recursos são unidos às colaborações dos sócios para os pagamentos dos funcionários e despesas da casa. 

A Gazetaweb conversou com dois sócios da academia sobre a importância deste momento. Um deles foi o Jaime de Altavila Filho, que é filho do fundador da academia, Amphilóphlilo de Oliveira Mello, conhecido também como Jaime de Altavila, que foi presidente da casa nos períodos de 1936 a 1937 e de 1961 a 1964.

"Para mim, é uma honra participar desta fotografia e ser sócio da academia, pois meu pai, há cem anos, foi fundador desta instituição. É uma satisfação estar convivendo com a história de Alagoas", contou Jaime, que é presidente do Instituto Histórico Geográfico (IHGAL), considerada a instituição cultural mais antiga do Estado, que este mês está completando 150 anos. O prédio que hoje abriga o IHGAL foi a primeira sede da Academia Alagoana de Letras. 

Miriam Canuto apontou a importância da representatividade feminina na academia. "Hoje, mais do que nunca, a presença feminina se faz necessária em todas as instituições. Eu sou segunda secretária da academia e, apesar de médica, também sou escritora e aqui contribuo com todos os segmentos da nossa academia. Nós, mulheres, aqui, temos um papel essencial, fazemos com muito amor todos os papéis que nos são entregues", pontuou a sócia. 

 

A reportagem entrevistou, ainda, a fotógrafa que registrou este momento e ela foi incisiva no que diz respeito à representatividade. "Eu acho muito importante a representatividade feminina em todas as áreas, em especial hoje, pois é a prova de que conseguimos entrar em um lugar onde só existiam homens. Claro que outras mulheres já conquistaram muitos espaços, mas esse é especial pra mim, pois estou fazendo parte dele".
Atividades do centenário

Toda manhã da primeira quarta-feira de cada mês são realizadas palestras sobre a importância da cultura alagoana. Haverá também dois concursos literários, que já foram lançados - Concurso Literário de Poesia Gustavo Paiva e o Concurso Literário de Prosa Aloísio Costa Melo. Também está marcado o lançamento de um livro com artigos escritos pelos sócios e vencedores dos concursos e, segundo o presidente da academia, foi prometido pelo Governo do Estado um documentário sobre a história da instituição.

E, o mais importante. Foi incluído no orçamento do estado, por meio de emendas propostas por membros da Assembleia Legislativa, o recurso de R$ 220 mil para a reforma da Casa Jorge de Lima e do auditório da academia, localizado na Praça Deodoro e que já não é utilizado há mais de um ano.



Compartilhe