Pop & Arte

Jazz Panorama celebra hoje álbum icônico do jazz


Fonte: Ascom FMAC

09/07/2019 17h40

Numa realização do Clube do Jazz de Maceió, com patrocínio da Prefeitura de Maceió por meio da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), o Jazz Panorama volta nesta terça (09) ao Teatro de Arena para a realização de sua 11ª edição, a partir das 20h. Desta vez, repetindo o sucesso da apresentação do “Kind of Blue”, disco sexagenário de Miles Davis, em abril deste ano, o Clube voltará a apresentar um clássico do jazz: o disco “Time Out”, do Dave Brubeck Quartet, que também completa 60 anos.

Primeiro disco de jazz a vender um milhão de cópias em toda a história, “Time Out” é um clássico incontestável, responsável por firmar um verdadeiro manifesto de liberdade rítmica, com variações de compasso sempre surpreendentes e às vezes inacreditáveis. Esta polirritmia, marca registrada dos temas deste álbum, pode ser facilmente percebida em uma de suas faixas com maior sucesso comercial: “Blue Rondo à La Turk”, a primeira do disco, alterna entre o clássico compasso 4/4 do jazz e um anárquico 9/8.

É impossível, entretanto, pensar este disco e esmiuçá-lo sem falar de “Take Five”, música que não é apenas o seu maior sucesso, mas o single mais bem sucedido do jazz em todos os tempos. Falar dela, entretanto, é pisar em ovos, ou ainda chover no molhado: com sua genialidade reconhecida há 60 anos, é difícil dizer algo que já não tenha sido dito incansáveis vezes. O seu compasso pouco usual no estilo até então, em 5/4, só era comum em música de vanguarda ou na música popular de pouquíssimos países do mundo, como a Turquia, onde Dave, em turnê, o conheceu. Decidiu, então, que gravaria um disco de jazz apenas com pulsações de tempo não usuais, e foi nos dedos de Paul Desmond, posicionados em seu sax alto, que nasceu “Take Five”.

É imensa a influência que “Take Five”, o disco “Time Out” e o quarteto de Brubeck têm na cultura pop. Da trilha sonora de Twin Peaks à reprodução do vinil do single no filme Constantine, pelo protagonista interpretado por Keanu Reeves, passando pelo sample feito pela banda americana Pavement em seu seminal disco de 1994, “Crooked Rain, Crooked Rain”, pelas regravações de George Benson e Al Jarreau, e pela trilha sonora do jogo de vídeo game Chessmaster, da Nintendo, é impossível negar o impacto gerado por esta música, por este álbum e por este quinteto.

Quem sobe ao palco do Teatro de Arena para assumir a responsabilidade de interpretar esta gema da música mundial é o time de peso do Clube do Jazz. A noite terá Felix Baigon no baixo e na direção musical, Jailson Brito no saxofone e Allysson Paz na bateria, além do acréscimo luxuoso do maestro e multi-instrumentista alagoano Billy Magno, no teclado. Os ingressos online já estão acabando, mas ainda podem ser adquiridos no site do Jazz Panorama. A venda continua na bilheteria do Teatro de Arena, a partir das 19h.



Compartilhe