Turismo e Gastronomia

Alagoas é destino especial para turismo no Nordeste


Fernando Soares Campos
Fonte: pravda.ru

10/11/2018 16h21

As férias estão se aproximando, com elas as festividades de final de ano. Esta é, para muitas famílias, a melhor oportunidade de viajarem juntos. Se a escolha for pelo turismo interno, especificamente o Nordeste, aqui vai uma recomendação imbatível: Alagoas, com destino à felicidade.


Quando se pensa em turismo no Nordeste, as pessoas, em geral, são atraídas pelos cartões postais que retratam as mais belas praias brasileiras, baías, enseadas, ilhas, arrecifes, piscinas naturais, as cores do mar em diferentes matizes. Além disso, o litoral, onde se localizam as cidades mais desenvolvidas, como ocorre em todo o Brasil, conta com as mais importantes obras de infraestrutura, as melhores rodovias da região, aeroportos mais complexos e de maior capacidade de atendimento, terminais marítimos, hotéis de padrão internacional, marinas, atracadouros, urbanizações temáticas das orlas marítimas. Tudo apropriadamente construído para atrair turistas, seja o doméstico ou os estrangeiros que aportam a região mais veranista do nosso País.

Observado por esse prisma, o Nordeste equivaleria a um imenso balneário, o que não reflete a realidade e, com tal classificação, estaríamos reduzindo o imenso potencial turístico da região, que, na verdade, é muito mais diversificado do que possa parecer àquele que se informou através de determinados guias turísticos.

Também, falar da cultura nordestina e indicar como referência os centros culturais, aqueles espaços onde se encontram bares da moda, restaurantes,  teatros, cinemas, lojas de artesanatos e guloseimas típicas da região, galerias de arte, entre tantas outras instituições próprias para difundir o conjunto de padrões comportamentais, expressões, crenças, conhecimentos, costumes diversos e estritamente regionais, não faz jus à realidade vivida pelo povo nordestino. Tais centros culturais, destinados a difundir a cultura nordestina, também podem ser encontrados, por exemplo, nas megalópoles como o Rio de Janeiro e São Paulo. Quer dizer, se fosse por esta via, não precisaria ir ao Nordeste para desfrutar da cultura da região.

Evidente que cada um de nós tem um objetivo para turistar. Que atrativo pode nos interessar? Se são as praias próprias para o banho ou prática esportiva, ou mesmo o mar aberto para mergulho ou pesca, nesse caso, pouca diferença se verifica entre os estados nordestinos. Em quase todos, o visitante encontra condições adequadas às suas aspirações nesse sentido. Porém, se o que se procura está relacionado com específicos roteiros ecológicos, há que se escolher baseado nas características geográficas, climáticas, na importância e tipo de bioma, nicho ecológico ou habitat específico, muitas vezes procurados para pesquisas e estudos especiais. Se se procura algum lugar em função de fatores culturais, busca-se os costumes em geral ou define-se as vertentes que possam interessar, entre folclore, música, moda, gastronomia, artesanato, histórias, religião ou algum interesse relacionado com uma paixão específica, atividade exercida como forma de lazer, distração ou passatempo, um hobby.

A verdade é que, a toda forma de turismo, podemos atribuir uma atividade cultural. O turista geralmente busca o inusitado, aquilo que ele não tem contato no seu dia a dia, ou que não usa nem emprega com frequência. Também pode querer fugir aos padrões habituais e se relacionar com atividades que de certa forma aprecia, mesmo que seja com algum estranhamento ou surpresa.

O Estado de Alagoas é dotado de deslumbrantes praias, reconhecidamente entre as mais belas do Brasil. Além da beleza paisagística, no litoral alagoano há uma diversificação tal em que se oferece aquelas cujas ondas são perfeitas para as práticas de surf e body board, com arrebentações que vão de baixo a alto impacto, até as muito calmas, com as piscinas naturais, temperaturas moderadas, ideal para crianças, idosos ou mesmo para quem prefere a calmaria.

Entre os que pretendem fazer turismo no Nordeste, a maior parte destina-se às capitais dos estados, visando as praias. É onde se encontra o melhor da infraestrutura hoteleira, e, com a intensa concorrência, pode-se encontrar pacotes promocionais até mesmo em período de alta temporada, principalmente quando se faz reservas com antecedência, garantindo os melhores preços de hospedagem e tarifas aéreas.

Em Alagoas, o fluxo turístico se torna cada vez mais intenso e diversificado, ocorrendo entre as praias da capital e dos litorais norte e sul do Estado, além disso, verifica-se a vertente ecológica, que cresce a cada temporada, trata-se da visita aos Cânions do São Francisco, também conhecido como Cânion do Xingó, esta segunda denominação surgiu devido à construção da barragem da Usina Hidrelétrica de Xingó, no Baixo São Francisco. A paisagem é maravilhosa, são formações rochosas esculpidas há milhões de anos, margeando as águas do lago formado pela represa da usina hidrelétrica. O turista navega pelo lago, de aproximadamente 65 km² de espelho d'água, registrando profundidades de até 175m. A embarcação, que pode ser um catamarã ou lancha, faz parada em determinado ponto, o Paraíso do Talhado, facultando aos passageiros um banho nas águas cristalinas do São Francisco, oferecendo um excelente esquema de segurança aos banhistas e àqueles que ficam simplesmente apreciando a imponente paisagem.


A ida aos Cânions do São Francisco, a partir de Maceió, pode ser feita num mesmo dia, em viagem bate e volta. Mas também o turista tem a opção de hospedagem integrada. É o caso do hotel Holiday inn Express, em Maceió, cuja administração dispõe de outra unidade hoteleira em Santana do Ipanema, cidade sertaneja próxima à barragem da Hidrelétrica de Xingó, o Hotel Privillege. Por esta rota, o visitante tem oportunidade de fazer um passeio mais proveitoso aos Cânions do São Francisco, que figuram entre os cinco maiores cânions navegáveis do mundo. 

Partindo de Maceió, em 4 horas de viagem chega-se à cidade de Piranhas, que é o ponto de partida para o cânion no lado alagoano. O visitante pode pagar o passeio de catamarã na cidade de Piranhas, porém é aconselhável que faça a reserva desde a chegada ao hotel em Maceió. A programação de viagem fica por conta do turista, claro. Você pode optar por conhecer primeiro as praias da capital alagoana e litorais norte e sul do Estado, para, em seguida, ir a Xingó. O ideal é curtir as praias, em seguida viajar e hospedar-se por uma noite no Hotel Privillege, em Santana do Ipanema, cidade considerada a capital do Médio Sertão Alagoano. No dia seguinte, pela manhã, parte para a cidade histórica de Piranha, à margem do São Francisco, uma viagem de aproximadamente uma hora. Em Piranhas você conta com restaurantes que oferecem atrações gastronômicas típicas da região, como carne de cabrito, carne de sol e peixes do São Francisco, tudo temperado à maneira ribeirinha. 

Piranhas é uma cidade cuja história está ligada ao cangaço. Foi de lá que partiu a volante da polícia militar alagoana para o Estado de Sergipe, e lá dizimou o bando de Lampião, trazendo várias cabeças decapitadas, inclusive as de Lampião e Maria Bonita, expondo-as nas cidades por onde trafegaram, para que servissem de exemplo a quem mais se propusesse a se tornar um fora-da-lei.

Imagens dos Cânions do São Francisco e páginas institucionais dos hotéis Holiday inn Express (Maceió) e Hotel Privillege (Santana do Ipanema).

 



Compartilhe