Blog sobre o setor rural de Alagoas

Senar abre inscrições para cursos gratuitos de capacitação a distância


AL Rural
Fonte: Canal Rural

11/07/2020 18h30

Senar abre inscrições para cursos gratuitos de capacitação a distância

O instituto Senar abriu vagas para nove cursos gratuitos de educação a distância. Ao total são mais de 70 cursos oferecidos na plataforma digital todos com certificado de conclusão ao fim do estudo.

De acordo com a entidade, o acesso aos cursos na Internet fica disponível 24 horas por dia, todos os dias da semana. Todos os programas e cursos on-line da educação a distância são oferecidos totalmente de graça para as pessoas do meio rural de todo o território nacional.

Confira abaixo os cursos com inscrições abertas.

Flores plantadas 

Próxima turma em 15 de julho 

Carga horária: 30 horas

Duração: 45 dias

Agricultura de precisão em diferentes culturas 

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 17 horas

Duração: 24 dias

Agricultura de precisão na distribuição de corretivos e fertilizantes 

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 17 horas

Duração: 24 dias

Produção de sementes e mudas de espécies florestais nativas 

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 20 horas

Duração: 30 dias

Elementos de paisagem e processos ecológicos do Bioma Mata Atlântica

Próximas turma em 15 de julho

Carga horária: 30 horas

Duração: 45 dias

Produção de flores de corte, flores de vaso e plantas ornamentais 

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 20 horas

Duração: 30 dias

Componente solo nos sistemas de ILPF

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 10 horas

Duração: 14 dias

Proteção de nascentes

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 10 horas

Duração: 14 dias

Florestas plantadas

Próxima turma em 15 de julho

Carga horária: 30 horas

Duração: 45 dias



Compartilhe
comentários

Acordo entre Conab e OCB vai beneficiar agricultor familiar


AL Rural
Fonte: Canal Rural

06/07/2020 16h30

Acordo entre Conab e OCB vai beneficiar agricultor familiar 

As organizações de pequenos agricultores familiares e extrativistas de produtos da biodiversidade vão ganhar um novo incentivo para fortalecer os seus negócios no cultivo agrícola ou de coleta de frutos silvestres.

Um acordo de cooperação técnica assinado entre a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) e a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) neste mês vai proporcionar, entre outros objetivos, a melhoria da gestão dessas instituições, especialmente nas regiões Norte e Nordeste, que são atendidas pelo Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), pela Política de Garantia de Preços Mínimos para a Biodiversidade (PGPM-Bio) e também pelo Programa de Vendas em Balcão (ProVB).

Além de promover o intercâmbio de informações e promover a capacitação dos agricultores e extrativistas, a medida tem em vista fazer com que esses segmentos tenham maior facilidade no acesso aos mercados para a venda de seus produtos.

Para a superintendente de Suporte à Agricultura Familiar da Conab, Kelma Christina dos Santos Cruz, o acordo visa sobretudo promover o desenvolvimento econômico e social dos agricultores familiares, com treinamentos de cooperativas e associações de agricultores familiares, público dos programas e ações executados pela Conab.

No acordo estão previstas iniciativas como o intercâmbio de experiências, especialização técnica de recursos humanos, encontros de negócios e oportunidades, além de ações conjuntas para o desenvolvimento institucional e de gestão pública, com atividades complementares de interesse comum, sem previsão de repasses financeiros. As cláusulas já estão em vigor e seguem até 31 de dezembro de 2022, com possibilidade de renovação.

OCB atua para reduzir impactos na agricultura familiar | Safra ES

Foto: Reprodução



Compartilhe
comentários

Preço do boi gordo atinge maior valor em 7 meses


AL Rural
Fonte: Canal Rural

03/07/2020 18h07

Preço do boi gordo atinge maior valor em 7 meses

O preço do boi, medido pelo indicador Cepea/B3, chegou a R$ 219,65 por arroba nesta quinta-feira (2). Esta é a cotação mais alta desde dezembro de 2019, quando o patamar atingido foi próximo a R$ 224 por arroba. De acordo com o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), nas últimas duas semanas, a média do indicador ficou praticamente 10% acima da observada em 2020 até então.

Tendências de preços do boi

De acordo com a consultoria StoneX, a tendência é de que os preços dependam principalmente da evolução da demanda interna e da externa, sobretudo das importações da China. O analista de mercado Caio Toledo estima aumento da oferta de boiadas a partir de julho, de aproximadamente 10% na comparação mensal, e um avanço permanente da oferta com o passar dos meses durante o período da entressafra, em virtude da saída de animais confinados meses atrás.

Toledo projeta que para o curtíssimo prazo, na primeira quinzena de julho, como é típico do período, os preços devem se manter firmes, enquanto que na segunda quinzena, pode haver algum viés de baixa. Para o restante do ano, caso a demanda acompanhe o aumento da oferta citado pela empresa, é possível que as cotações se sustentem. Porém, caso não haja retomada da demanda interna ou exista uma perda de fôlego da demanda chinesa, os preços devem recuar.

A Scot Consultoria avalia que entre agosto e setembro, o Brasil observar um volume maior de gado de confinamento. Porém, é possível que as flexibilizações e a retomada econômica estejam mais estabelecidas de maneira que caso as exportações sigam em ritmo forte, o mercado possa se manter firme.

Exportação de carne bovina recorde

Em junho, as exportações de carne bovina brasileira bateram recorde para o mês, com cerca de 150 mil toneladas embarcadas. De acordo com estudo da consultoria Agrifatto, a China absorve 10% do que é produzido no Brasil atualmente.

Segundo estudo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), cerca de 20% da produção brasileira é exportada, enquanto que o restante é direcionado ao consumo doméstico. Já a Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) estima que o total embarcado já ultrapassa os 20%, e com viés de alta em virtude do aumento do apetite chinês.



Compartilhe
comentários

Programa que capacita pequenos produtores realiza treinamento online


AL Rural
Fonte: Assessoria

01/07/2020 17h11

Programa que capacita pequenos produtores realiza treinamento online

Criado em 2017, o programa Prospera oferece ao pequeno produtor rural capacitações técnicas, práticas e acesso aos insumos, serviços e mercado consumidor, com o intuito de promover a geração de renda e desenvolvimento das comunidades rurais do Nordeste. Ao decorrer dos anos, os participantes do programa tiveram acesso ao conhecimento técnico de alto nível, que proporcionou melhorias em suas lavouras de milho e na comercialização de suas produções.

Este encontro digital que será realizado na quinta-feira, 02 de julho, às 17h (horário de Brasília), sobre o sistema produtivo de alto rendimento sustentável é mais uma oportunidade de gerar transformação, aumentar a produtividade e proporcionar expansão de renda dos agricultores.

O treinamento que será conduzido por Claudete Baumgratz, Supervisora de serviços técnicos da Corteva e Coordenadora técnica do programa Prospera, Renato dos Santos, Coordenador de pesquisa, pós-graduação e inovação do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE) Campus Vitória e Estéfano Nunes, Coordenador de produção do IFPE Campus Vitória, abordará a cultura de milho e em como aumentar a produtividade com adoção de tecnologia de sementes e manejo adequado.

Aproveite este encontro com conteúdo de qualidade e participe. Para assistir ao webinar, clique aqui e digite uma das senhas abaixo, caso esteja utilizando o computador ou o telefone.

Senha acesso computador: 8i3w7v

Senha acesso telefone: 196533

Para mais informações

In Press Porter Novelli

[email protected]



Compartilhe
comentários

16º Edição digital da feira Agronegócios Copercana é online


AL Rural

25/06/2020 18h31

A UPL, uma das quatro maiores empresas de soluções agrícolas do Brasil, participa de mais uma edição da Feira Agronegócios Copercana com todo o seu eficaz portfólio, que garante proteção e produtividade dos canaviais. O evento, desta vez totalmente online, acontece entre os dias 22 de junho e 3 de julho. O acesso poderá ser feito pelo site: www.agronegocioscopercana.com.br.

"Esse importante evento anual representa a oportunidade perfeita para discutir e ofertar as principais tecnologias para o manejo do canavial para atingimento das máximas qualidade e produtividade, sobretudo nesse período de pandemia do novo coronavírus. A boa notícia do momento é que a safra e colheita seguem com ótimo andamento, evidenciando a excelente adaptação das usinas e fornecedores às mudanças impostas pelo cenário de pandemia e seus impactos práticos.", afirma o gerente de cana e pastagem da UPL Brasil, Carlos Peres.

Além de palestras sobre o manejo de plantas daninhas no atual momento da safra, a UPL destaca o exclusivo programa Pronutiva, que integra com eficácia o uso de soluções para proteção de cultivos com modernas tecnologias de biossoluções – categoria que inclui produtos biológicos e de nutrição inovadora, além de fisioativadores, que estimulam o desenvolvimento com vigor, produtividade e qualidade.

Preocupada com a saúde das pessoas envolvidas na cadeia sucroenergética, a UPL Brasil instalou nas filiais da Copercana, sediada em Sertãozinho (SP), totens de álcool em gel, derivado da cana extremamente valorizado pela atuação contra a transmissão do coronavírus. "Cada vez mais, o setor demonstra sua força e importância para o país", finaliza o gerente de cana e pastagem da UPL Brasil. 



Compartilhe
comentários

Seguro Garantia Safra inicia pagamento da folha de junho em AL


AL Rural
Fonte: Ascom Seagri

19/06/2020 17h42

Seguro Garantia Safra inicia pagamento da folha de junho em AL

Dados divulgados pela Coordenação Estadual do Programa Garantia-Safra, da Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri), revelam que já foram injetados em Alagoas, ate o momento, R$ 17,1 milhões com os benefícios referentes à safra 2018/2019, a 20.141 agricultores familiares de 34 municípios alagoanos.

A partir desta quinta-feira, 18, os pequenos agricultores inscritos no Programa Seguro Garantia Safra já começam a receber mais uma parcela do seguro, em decorrência de perda da safra, por estiagem ou excesso de chuva.

O seguro Garantia-Safra tem como objetivo garantir condições mínimas de sobrevivência aos agricultores familiares com renda de até 1,5 salário mínimo mensal, oriundos de municípios sistematicamente sujeitos a perda de safra por razão do fenômeno da estiagem, onde se plantam entre 0,6 a 5 hectares de feijão, milho, arroz, mandioca ou algodão.

Para atingir esse montante, o governo federal destina 40% dos recursos, ou seja, R$ 340,00 por cada produtor rural; o governo de Alagoas, com 12%, R$ 102,00; os municípios, com 6%, enquanto que os produtores rurais participam com 2%, com valor de R$ 17,00.

Como explica o secretário da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura, João Lessa, cada parcela paga pelo seguro aos agricultores familiares de Alagoas representa uma renda para que as famílias possam continuar com suas atividades no campo.

O Governo de Alagoas já aderiu ao Programa Garantia-Safra referente ao ano agrícola, com as safras 2019/2020, onde 35 municípios já assinaram a adesão, e que já estão inscritos também 30 mil agricultores familiares.



Compartilhe
comentários

Juros podem cair até 1,5 ponto percentual no plano safra 20/21, diz especialistas


AL Rural
Fonte: Canal Rural

16/06/2020 16h20

Juros podem cair até 1,5 ponto percentual no plano safra 20/21, diz especialistas

No Canal Rural News desta segunda-feira, 15, especialistas em crédito rural anteciparam a tendência para as taxas de juros do Plano Safra 2020/2021. De acordo com Ademiro Vian, nas linhas de investimento, que atualmente variam de 3% a 10,5%, a redução deve variar de 0,75 ponto percentual a 1,5 ponto percentual. “Não teremos nenhum grande corte nas taxas de juros, serão cortes muito modestos em todas as linhas”, diz.

A expectativa do ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura Ivan Wedekin é que o Plano Safra tenha juros menores, mas ainda mais altos do que a Selic para a maior parte das linhas de financiamento.

“A queda da taxa de juro de até 6,5% ao grande produtor, por exemplo, vai ter um impacto positivo no crédito comercial, o financiamento não bancário, e também na taxa de juros de recursos livres aplicados pelos bancos. Quebrando o monopólio do Banco do Brasil e dos bancos cooperativos, podemos ter uma concorrência maior”, pontua.

Outra vantagem para o produtor rural nesta safra, segundo Wedekin, é que o risco do crédito rural para a maioria dos agricultores estará abaixo dos outros setores econômicos, afetados fortemente pela Covid-19.

Imagem Ilustrativa



Compartilhe
comentários

Brasil é líder na transferência de embriões de equinos


AL Rural
Fonte: Assessoria

09/06/2020 16h25

Brasil é líder na transferência de embriões de equinos

A equinocultura movimenta mais de R$ 16 bilhões por ano no Brasil. O plantel nacional também é representativo: 6 milhões de animais. "O constante crescimento da atividade no país exige novas tecnologias para o melhoramento genético. A transferência de embriões é uma delas – e tem contribuído para aumentar o total de nascimentos com sucesso", destaca a médica veterinária Baity Leal, gerente da linha de produtos para equinos da Ceva Saúde Animal.

"Diversas pesquisas apontam o Brasil como o maior produtor de embriões de equinos do mundo, com participação superior a 40% nesse mercado, à frente de outras potências nessa prática, como Argentina e Estados Unidos", complementa Baity.

Mestre em clínica e cirurgia veterinária pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), ela informa que a transferência de embriões começou a ser praticada no país em meados da década de 1980. Hoje, é utilizada por criadores de várias raças, como quarto-de-milha, mangalarga marchador e, mais recentemente, crioulo, entre outras.

O período pré-transferência envolve a sincronização da ovulação das fêmeas envolvidas. O bom resultado dessa etapa é essencial para garantir a eficácia da transferência de embriões. O uso do hormônio gonadotrofina coriônica humana (hCG, na sigla em inglês) é um recurso importante para o sucesso da técnica.

O hCG é consagrado na reprodução equina, além de ser mais efetivo em comparação à deslorelina e outros análogos ao hormônio liberador de gonadotropina (GnRH). Além disso, tem resultados excelentes na inseminação da égua doadora.

Fertcor é um importante aliado da transferência de embriões de fêmeas. "É a certeza de retorno econômico para o criador com segurança para os animais com o uso de produto registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)", explica a gerente de produtos para equinos da Ceva. "Investimos em tecnologias para os criadores terem à disposição novas soluções que garantam o sucesso dos procedimentos sem prejudicar a saúde dos equinos".



Compartilhe
comentários

Fornecedora de touros Nelore introduz genômica na seleção de reprodutores


AL Rural
Fonte: Assessoria

05/06/2020 16h15

CFM: Fornecedora de touros Nelore introduz genômica na seleção de reprodutores

2020 fica marcado na história da Agro-Pecuária CFM, maior fornecedora de touros Nelore CEIP do país, como mais um ano de grandes mudanças, com destaque para a adoção da genômica no programa de seleção.

“Os processos de avaliação genética são muito dinâmicos e nos últimos anos a pesquisa evoluiu muito, especialmente na área da genômica. Ciente da importância da inovação, a CFM mantém-se atuante na pesquisa científica, apoiando projetos ligados ao melhoramento animal e permitindo que seu rebanho seja objeto de pesquisas frequentes.  Nesse contexto, a empresa começou a investir em genômica já em 2002, em parceria com os professores José Bento Ferraz e Joanir Pereira Eler, geneticistas da USP Pirassununga”, explica Tamires Miranda Neto, gerente de pecuária da CFM.

Desde então, a CFM vem construindo um robusto banco de dados de informações genômicas de seu rebanho, condição imprescindível para que a nova tecnologia traga ganhos reais a qualquer programa de seleção.

Em termos práticos, a genômica contribuirá bastante para a seleção dos touros jovens da CFM. Os touros nascidos em 2018, por exemplo, que serão comercializados esse ano e ainda nem entraram em reprodução, contarão com DEPs tão confiáveis quanto as de touros que já tem 10 a 20 filhos avaliados. Sem a genômica, seriam necessários mais três anos de trabalho para obter DEPs tão precisas.

“Para os pecuaristas, a inovação adotada pela CFM trará ainda mais confiança ao processo de escolha dos touros”, explica o gerente de pecuária da CFM.

Além da introdução da genômica no programa de seleção, a CFM traz outra mudança em 2020: o novo Índice CFM.

O programa de melhoramento genético da CFM avalia mais de uma dezena de características para cada animal do rebanho. Com o objetivo de reunir as características mais importantes, ligadas à fertilidade, precocidade, peso e qualidade de carcaça, a CFM criou o Índice CFM, principal critério de seleção utilizado pela empresa desde 1994 e que, desde então, é periodicamente revisto.

“Ressaltando que o melhoramento genético é um processo dinâmico, após amplo estudo, o Índice CFM passará a ser composto pelas seguintes DEPs: peso à desmama (20%), ganho de peso pós desmama (20%), peso aos 18 meses (20%), perímetro escrotal (10%), probabilidade de prenhez aos 14 meses (10%) e musculosidade (20%).

A principal mudança foi a inclusão da DEP de PP14 (probabilidade de prenhez aos 14 meses), que tornará o Índice CFM ainda mais apropriado à seleção de touros cujas filhas emprenharão mais cedo. São fêmeas sexualmente precoces e que tendem a ser mais eficientes ao longo de toda sua vida reprodutiva.



Compartilhe
comentários

Adoção de tecnologias digitais no agro é acelerada pela pandemia


AL Rural
Fonte: Agrolink

28/05/2020 19h23

Em live sobre Agricultura Digital realizada, nesta quarta-feira (27), durante o primeiro dia da Feira Agrotecnológica do Tocantins (Agrotins), a chefe geral da Embrapa Informática Agropecuária, Silvia Massruhá, falou sobre a origem do conceito e o papel da pesquisa agropecuária e das políticas públicas na chamada Agricultura 4.0. A pesquisadora contou como e por que em poucos meses o futuro da lavoura de dados avançou sobre a lavoura de produtos.

A especialista em computação explicou que o conceito de Agricultura 4.0 é uma referência à revolução ocorrida na indústria automobilística alemã, com base no conteúdo digital, na tecnologia de ponta e na conectividade, que influenciou outros setores da economia como o agronegócio. Na Embrapa Informática Agropecuária, a atuação para melhoria de produtividade e a redução de custos em todas as etapas de produção se dá a partir de quatro eixos: bioinformática e biologia computacional, modelagem agroambiental e geotecnologia, computação científica e automação e engenharia da informação, indicou.

Segundo a pesquisadora, para além da agricultura de precisão, a agricultura digital estende a ideia de conectar máquinas para o tratamento dos diferentes tipos de dados (colhidos de sensores, colheitadeiras, imagens de satélite e drones) para auxiliar a tomada de decisão de produtores de pequeno médio e grande porte.

Pandemia

A despeito das vantagens da agricultura digital, a sua mais ampla adoção no agro brasileiro enfrenta muitos desafios num país continental, diverso e com desigualdades regionais como o nosso. Mas a situação que aparentemente demoraria décadas para acontecer nesse campo da inovação começou a virar realidade com a chegada do novo coronavírus (covid-19).



Compartilhe
comentários

Biocombustível: Vendas de etanol caem 22% na primeira quinzena de maio


AL Rural
Fonte: Canal Rural

26/05/2020 16h11

A venda de etanol no Centro-Sul do Brasil caiu 22% nos primeiros quinze dias de maio na comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com a União das Indústrias de Cana-de-Açúcar (Unica), foram 1,05 bilhão de litros contra 1,35 bilhão de litros em 2019. Deste total, foram destinados 33,94 milhões de litros para o mercado externo e 1,02 bilhão de litros para o interno.

No mercado interno, as vendas de etanol hidratado alcançaram 729,23 milhões de litros na primeira metade de maio, com redução de 24% sobre o montante apurado no mesmo período da última safra. A quantidade comercializada de etanol anidro, por sua vez, registrou queda de 23,82%, atingindo 292,57 milhões de litros.

Para o diretor técnico da entidade, Antonio de Padua Rodrigues, a retração nas vendas de etanol hidratado só não foi maior devido a elevada competitividade do biocombustível no mercado nacional.

Um levantamento de preços da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostrou que na última semana, apenas 17 municípios da amostra apurada nos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Goiás apresentaram paridade de preço com a gasolina acima de 70%. Os valores indicam que, em média, o preço relativo do etanol hidratado em relação à gasolina alcançou 62,6% no Mato Grosso, 63,4% em São Paulo, 65,9% em Minas Gerais e 66,5% em Goiás.

Produção de etanol

A fabricação acumulada de etanol desde o início da safra 2020/2021 até 16 de maio totalizou 4,40 bilhões de litros, sendo 1,12 bilhão de litros de etanol anidro e 3,28 bilhões de litros de etanol hidratado. Esses valores incorporam a fabricação do renovável a partir do milho.

A produção de milho na temporada 2020/2021 acumula alta de 92,42% ante o mesmo período do ciclo 2019/2020, atingindo 293,39 milhões de litros até 16 de maio (86,77 milhões de litros de etanol anidro e 206,62 milhões de litros de hidratado). 

Usinas em operação

Em relação ao número de usinas em operação, 21 unidades iniciaram a safra na primeira quinzena de maio de 2020. Com isso, nesse ano 235 empresas registraram produção até dia 16 de maio, versus 240 unidades industriais em igual data do último ano. Na segunda quinzena de maio, 10 unidades devem iniciar a produção e outras 12 começarão a operar no início de junho.

Do total de unidades em operação, 40 fabricam exclusivamente etanol, sendo quatro dedicadas à produção do biocombustível a partir do milho. Essas unidades que não produzem açúcar foram responsáveis por 15% da moagem e 32% da produção de etanol.

“O aumento da produção e a retração nas vendas de etanol têm prejudicado de forma mais intensa as empresas que só fabricam o biocombustível”, explica Rodrigues



Compartilhe
comentários

Agricultor pode fazer consulta online do Programa Garantia-Safra


AL Rural
Fonte: Assessoria

22/05/2020 18h00

Agricultores familiares beneficiários do Garantia-Safra podem consultar dados das inscrições do programa de forma online, serviço disponibilizado pela Secretaria de Política Agrícola, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

O agricultor poderá obter informações referentes ao cadastro, pagamento, bloqueios do benefício pelo Sistema de Gerenciamento do Garantia-Safra.

Segundo, José Carlos Mercês, coordenador-geral do Garantia-Safra, o agricultor poderá fazer consulta para saber se o benefício foi disponibilizado, verificar se o cadastro está correto, corrigir dados do Número de Identificação Social (NIS) e, eventualmente, o motivo do bloqueio do benefício, sem ter que se deslocar ao agente municipal. "Em tempos de crise da Covid-19, esse é mais um serviço remoto que ajuda o agricultor familiar", ressalta.

Pagamento Garantia-Safra pelo NIS

O pagamento do benefício Garantia-Safra está condicionado aos agricultores familiares residentes em municípios nos quais tenha sido verificado perda severa de produção em razão de seca ou enchentes, comprovada na forma do regulamento, de pelo menos 50% do conjunto da produção de milho, feijão, arroz, mandioca ou algodão.

O benefício é pago por meio de cartões eletrônicos (Cartão Cidadão ou Cartão Bolsa Família) disponibilizados pela Caixa Econômica Federal. O agricultor que já tem Cartão Cidadão deverá verificar se o número do NIS do seu cartão é o mesmo número do NIS apresentado no cadastro para que o pagamento seja disponibilizado.

Caso o número do NIS seja diferente ou no cadastro do beneficiário não possua o número, o próprio agricultor pode fazer a atribuição manual desse número durante a consulta. "A inclusão de um link onde o próprio agricultor possa corrigir alguma informação, como o NIS, e acompanhar sua vida no Programa Garantia-Safra é muito importante para a sua fluidez e transparência, além de desafogar os agentes municipais no levantamento dos dados dos agricultores que era feito de forma manual pelo preenchimento de planilhas e todo o processo de envio à Coordenação-Geral", afirma o coordenador estadual da Paraíba, Alessandro Silva.

O que é o Garantia-Safra

O Garantia-Safra é uma ação do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que tem como objetivo garantir condições mínimas de sobrevivência aos agricultores familiares de municípios sistematicamente sujeitos a perda de safra por razão do fenômeno da estiagem ou excesso hídrico.

Criado pela Lei nº 10.420, de 10 de abril de 2002, o Fundo Garantia-Safra, de natureza financeira, vinculado ao Mapa, instituiu o benefício Garantia-Safra visando atender aos agricultores familiares da Região Nordeste e norte do estado de Minas Gerais.



Compartilhe
comentários

Questão ambiental será principal entrave para produtores rurais


AL Rural
Fonte: Canal Rural

20/05/2020 17h20

Mais de 40 empresas globais se reuniram nos últimos dias para assinar uma carta com um pedido para que deputados e senadores votem contra o projeto de regularização fundiária. Segundo as companhias, a medida provisória sobre o assunto pode facilitar a grilagem de terras e o desmatamento. Em carta enviada ao Congresso Nacional, as empresas ameaçam deixar de compras produtores brasileiros.

Para o comentarista do Canal Rural Glauber Silveira, atualmente 17 milhões de hectares de terras na Amazônia são do governo e que não incluem terras indígenas ou parques. Ele explica que ao regularizar a situação de diversas famílias, o governo acaba criando uma responsabilização por cada pedaço da área.

“Você tem desmatamento, queimada, tudo isso que aconteceu ano passado e o mundo fica olhando para o Brasil, e que o governo não tem condições de dar conta disso. Com essa medida, você vai dar CPF para cada pedaço de terra desses 17 milhões de hectares. As pessoas vão ter a responsabilidade sobre essa terra”, explica.

Sobre algumas divergências entre parlamentares e entidades do agronegócio sobre itens do projeto de lei 2633/2020, Silveira destaca que o Ministério da Agricultura vai pedir algumas correções.

Porém, ele ressalta que um dos maiores será a questão ambiental. Ele explica que muitas áreas estão embargadas e será necessário realizar processos administrativos para fazer o Cadastro Ambiental Rural.



Compartilhe
comentários

MP que reduziu contribuição ao Sistema S é restabelecida pelo STF


AL Rural
Fonte: Canal Rural

18/05/2020 17h06

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, acolheu pedido da União contra decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) de suspender os efeitos da Medida Provisória (MP) 932/2020. A MP, editada no dia 31 de março e que reduziu em 50% as alíquotas das contribuições para os serviços sociais autônomos (o chamado Sistema S) e duplicou (de 3,5 para 7%) o valor cobrado pela Secretaria da Receita Federal do Brasil a título de pagamento pelo serviço de arrecadação dessas contribuições.

A Advocacia-Geral da União (AGU) informou que, na origem, o Serviço Social Comércio (Sesc/DF) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac/DF) no Distrito Federal haviam ajuizado ação pleiteando a suspensão dos efeitos da MP. O pedido da cautelar foi indeferido, bem como o agravo que se seguiu. Porém, as autoras da ação impetraram mandado de segurança para obter a concessão da liminar pelo TRF1, alegando grave risco de dano à economia, à ordem administrativa e à ordem jurídica.

No pedido, a AGU argumentou que a edição da MP teve por objetivo desonerar parcial e temporariamente as empresas, como forma de fazer frente à súbita desaceleração da atividade econômica, decorrente da pandemia da Covid-19. Segundo o órgão, a concessão dos pedidos podem acarretar grave dano à ordem econômica, com potencial de abalar o conjunto dos esforços para enfrentar os impactos causados pelo coronavírus na economia, em especial em relação à preservação dos empregos.

Impactos no setor

Produtores rurais atendidos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) temem que o corte na contribuição obrigatória destinada ao Sistema S prejudique o acesso à assistência técnica.

Em entrevista ao Canal Rural em abril, o diretor-geral do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), Daniel Carrara, afirmou que as capacitações de educação profissional, as atividades de promoção social e a Assistência Técnica e Gerencial (AteG) prestadas aos produtores rurais de todo o país seriam afetadas com a Medida Provisória.

Em nota, a entidade disse, na ocasião, que com a crise devido ao coronavírus, vinha trabalhando para que o produtor conseguisse produzir, escoar a produção e comercializá-la para garantir o abastecimento das cidades.



Compartilhe
comentários

Arroba do boi gordo cai com incerteza na demanda por carne bovina


AL Rural
Fonte: Canal Rural

15/05/2020 17h52

O mercado físico do boi gordo registrou baixas em algumas praças nesta quinta-feira (14), de acordo com a consultoria Safras. O analista Fernando Henrique Iglesias afirma que os frigoríficos seguem operando com escalas de abate apertadas, por opção própria, diante das incertezas em relação à demanda de carne bovina com as políticas de distanciamento social vigentes em grandes centros consumidores.

Em Alagoas o arroba do boi gordo, nesta sexta-feira (15), esta de R$ 210.

“Alguns frigoríficos tentaram pressionar os pecuaristas por preços mais baixos para as boiadas, o que atrapalhou o fluxo de negócios no dia. Enquanto isso, os animais que cumprem os requisitos para exportação à China garantem ágio de até R$ 10,00 por arroba em relação ao boi comum”, diz.

Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista ficaram em R$ 194 a arroba, estáveis. Em Uberaba (MG), passaram de R$ 184 para R$ 185 a arroba. Em Dourados (MS), foram de R$ 176 para R$ 177,00 a arroba. Em Goiânia (GO), o preço indicado foi de R$ 180 a arroba, inalterado. Já em Cuiabá (MT), passou de R$ 172 para R$ 171 a arroba.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis. Conforme Iglesias, o escoamento da carne, principalmente os cortes nobres, ainda ocorre demasiadamente lento, enquanto as exportações para a China vão garantindo a rentabilidade e um alivio.

O corte traseiro teve preço de R$ 13,35 o quilo. A ponta de agulha ficou em R$ 10,70 o quilo. Já o corte dianteiro seguiu em R$ 11,30 o quilo.



Compartilhe
comentários

CNM pede novo período de inscrição de turma para curso do ITR


AL Rural
Fonte: CNM

13/05/2020 17h20

A Secretaria Especial da Receita Federal alterou a data de inscrição do curso para a 3ª turma do curso do Imposto Territorial Rural (ITR). Com isso, o novo período passa a ser de 1º a 12 de junho. Anteriormente, a data prevista para as inscrições era de 4 de maio a 5 de junho de 2020, mas, após questionamento da Confederação Nacional de Municípios (CNM) sobre a liberação da matrícula, a secretaria divulgou a nova data.

A CNM reforça aos servidores municipais que o curso tem vagas limitadas e que as inscrições serão homologadas de acordo com a ordem cronológica de inscrição. A capacitação é destinada a servidores municipais indicados pelo Município conveniado, que atendeu aos requisitos da Instrução Normativa da Receita Federal 1.640/2016 para atuarem na fiscalização, no lançamento e na cobrança do tributo.

O curso é feito na modalidade de educação a distância (EAD). Para garantir as inscrições a partir da data, o Município interessado em participar deve acessar o portal do Enap.

Os Municípios que têm servidores inscritos e não estão dando continuidade ao curso podem perder o convênio. Além disso, o servidor deve ter consciência que está tirando a oportunidade de outro profissional participar da formação, já que o número de vagas é limitado.



Compartilhe
comentários

Isolamento social preocupa produtores do setor sucroenergético


AL Rural
Fonte: Canal Rural

11/05/2020 17h32

A queda do consumo de etanol e petróleo no mundo, devido às medidas de isolamento em diversos países em razão da pandemia, acende um sinal de alerta para o setor sucroenergético, segundo o Coordenador Técnico da Comissão Especial de Cana de Acúcar da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), Gustavo Chavaglia.

O coordenador lembra que o setor produz, além do etanol, açúcar, energia elétrica e outros alcoois. “Neste momento de baixo consumo, parte da produção processada vai para estoque, demandando capital para suportar as despesas com funcionários, insumos fornecedores e parceiros”, disse.

Segundo Chavaglia, com o menor consumo e maior estoque, serão necessárias linhas de crédito para que as usinas suportem o custo do estoque, até que a economia retome os padrões normais.

Em um ambiente normal, cerca de 20% das usinas já se encontravam com dificuldades financeiras, mas a situação se tornou mais vulnerável com o agravamento da pandemia.

A Faesp se disponibilizou para encontrar os meios necessários para incentivar o consumo do etanol nos veículos do estado de São Paulo a fim de evitar uma crise ainda maior no setor que, além da produção de energia limpa, é um segmento que emprega milhares de pessoas.



Compartilhe
comentários

Embrapa aponta que consumo doméstico de lácteos cresceu na pandemia


AL Rural
Fonte: Canal Rural

06/05/2020 18h37

O levantamento divulgado nesta terça-feira, 6, aponta que apenas 97% dos participantes consomem queijo. Na sequência, entre os outros derivados lácteos mais consumidos aparecem: manteiga (95%), creme de leite (92%) e iogurte (89%).

O fechamento de restaurantes, lanchonetes e outros serviços de comida fora de casa, em decorrência da pandemia de coronavírus, está afetando a demanda por lácteos. De acordo com boletim do Centro de Inteligência do Leite, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), principalmente o queijo mussarela e o leite spot, comercializado entre empresas, registraram queda de preços em abril.

No entanto, segundo a pesquisadora da Embrapa Gado de Leite Kenya Siqueira, o consumo fora de casa representa 10% da demanda; os outros 90% continuam firmes, e mais: a entidade aponta crescimento no consumo de queijo, manteiga e leite condensado no Brasil durante o período de quarentena. Esse último item, aliás, seria um item procurado por proporcionar bem-estar às pessoas em meio à crise.

Pesquisa

O levantamento foi realizado de 23 de abril a 3 de maio, por meio das redes sociais. Participaram 5.105 consumidores, distribuídos em todo o território brasileiro. Houve maior participação de Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e São Paulo.



Compartilhe
comentários

Respeitar o período seco entre lactações gera renda maior


AL Rural
Fonte: Assessoria

12/03/2020 15h55

A bovinocultura enfrenta dois grandes desafios no cenário atual do Brasil: alimentação correta e, especialmente, manejo geral dos animais. “Ambientes não ideais, por exemplo, causam muito estresse especialmente para vacas, o que resulta em baixa produção leiteira”, destaca.

Para o especialista, outros problemas são evidentes em muitos locais, como “erros no calendário de vacinas, no uso de vermífugos e na contagem de datas referentes ao chamado período seco, ao qual também há vacas chegando muito gordas, o que causa dificuldades”.

O período seco é um descanso que varia de 45 a 60 dias antes do próximo parto da vaca, sendo importante para a recomposição do organismo antes da próxima lactação. Essa pausa visa a garantia do bem-estar dos animais, diminuindo o estresse e o risco de infecções.

A secagem do leite para garantir o descanso exige atenção do produtor. “Há no mercado uma solução muito importante para facilitar a secagem das vacas. É o medicamento Velactis. Ele ajuda a acabar com as dores de úbere e também proporciona maior volume de leite e períodos secos menores”, explica Gheller.

Único facilitador de secagem do leite do país, Velactis é produzido pela Ceva Saúde Animal, uma das cinco maiores indústrias veterinárias do mundo. “Essa solução tem apresentado excelentes resultados em vacas de alta produção, que passam por secagem abrupta, gerando renda maior”, conclui o profissional.

Vendedor técnico de campo da Ceva, Josenei Sartor atua junto a Edgar Gheller e destaca a eficiência do veterinário. “Com vasta experiência e fazendo o uso de tecnologias avançadas, ele tem contribuído para o bem-estar e o sucesso de fazendas produtoras de leite na região em que atua.”



Compartilhe
comentários

Gado Montana apresenta alta resistência a carrapatos


AL Rural
Fonte: Assessoria

09/03/2020 17h24

Desde o início do desenvolvimento e seleção do Montana, em 1994, os criadores e geneticistas estão atentos a um problema relevante para a realidade da pecuária brasileira: o carrapato. Por ano, estima-se que as perdas causadas pelo parasita ultrapassem R$ 12 bilhões.

Além dos tratamentos tradicionais, uma das ferramentas auxiliares para controlar o carrapato é o cruzamento com raças mais resistentes. O cruzamento direcionado e bem conduzido apresenta uma série de vantagens, como aumento de ganho de peso, fertilidade, precocidade sexual e uma maior resistência ao carrapato. O Montana se apresenta como uma das melhores alternativas para acertar no cruzamento de maneira simples e rentável.

“Por ser composto, o Montana possui características importantes para auxiliar na resistência ao carrapato, como a heterose, a complementaridade entre raças mais resistentes, além da seleção genética para a característica. Esses fatores tornam a raça mais resistente quando comparada a raças europeias, britânicas, ou mesmo híbridas”, explica a gerente de operações do Programa Montana, Gabriela Giacomini.

Nestes 26 anos de seleção a característica de resistência a carrapatos faz parte da avaliação de 14 meses dos animais. “Assim, nessa idade cada animal (machos e fêmeas) recebe uma nota para esse quesito e machos sensíveis não podem ser selecionados como touros”, informa Gabriela.

“Analisando o banco de dados de mais de 78 mil observações, percebemos que quase 40% dos animais receberam as melhores notas para resistência a carrapatos e apenas 1% dos animais receberam as piores notas”, diz Gabriela.

A partir deste ano, os geneticistas da USP/Pirassununga, responsáveis pelas avaliações genéticas do Montana, passarão a utilizar os dados disponíveis para a criação da Diferença Esperada na Progênie (DEP) para resistência aos carrapatos. Com isso, será possível prever o potencial de transmissão da resistência para a progênie, ajudando o mercado e os criadores a adquirir animais cada vez mais resistentes.

“O lançamento dessa DEP é uma boa notícia para criadores gaúchos e uruguaios, que sofrem devido à alta infestação de carrapatos no gado. Muitos já usam o Montana como ferramenta auxiliar no controle do parasita, além dos benefícios de ganho de peso e precocidade sexual oferecidos pelo Montana”, afirma Gabriela Giacomini



Compartilhe
comentários