Municípios

Alagoanos correm risco de ficar sem água tratada


Fonte: Novo Extra

21/09/2020 11h30

A Auditoria Cidadã da Dívida Pública (ACD) juntamente com as entidades sindicais realizarão o Seminário virtual Dívida Pública e Privatização da Água, nesta terça-feira, às 19 horas, no Canal do Youtube da ACD. Este evento irá traçar um panorama sobre o leilão da privatização da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal), marcado para o dia 30 deste mês.

O seminário contará com a participação de: Maria Lucia Fattorelli, coordernadora nacional da ACD, José Menezes, professor de Economia da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e coordenador do Núcleo Alagoano da ACD; e Dafne Orion, presidente do Sindicato dos Urbanitários.

De acordo com o ACD, a privatização da Casal resulta do processo de renegociação da dívida pública alagoana, conforme consta na Lei Complementar nº 156/2016, que alongou a dívida por mais 20 anos, exigindo a privatização de todas empresas estatais que restam.

"Neste processo, é importante lembrar que uma parte grande da atual dívida alagoana se originou da liquidação do Produban. Ou seja, uma dívida produzida pelos usineiros que continua a ser paga e que agora exige a entrega da Casal", destacou a entidade. 

Ainda segundo a ACV, a Casal é uma empresa superavitária: "no ano passado, deu lucro de R$ 62 milhões ao Estado". "A privatização irá pôr fim ao subsídio cruzado, que funciona para o equilíbrio de atendimento à toda a população. O município maior e mais rico, como Maceió, ajuda a pagar os custos da água em cidades menores e mais pobres. Sem o subsídio, os mais pobres jamais teriam água da Casal em casa porque o valor da tarifa será mais caro. Mais de 50% da população de Alagoas correm o risco de ficar sem água tratada".

 



Compartilhe