Municípios

AMA defende vacinação de professores para volta às aulas


Redação
Fonte: AMA e Agência Alagoas

22/02/2021 16h44

Com a proximidade do retorno das aulas, o vice-presidente da Associação dos Municípios Alagoanos (AMA), prefeito e médico Fernando Sérgio Lira, destaca que pode haver o adiamento, se os casos continuarem aumentando e se não houver perspectivas de vacinação dos professores.

A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) solicitou ao Ministério da Saúde que os professores sejam incluídos no grupo 2 da campanha de vacinação. Hoje, a previsão é que esses profissionais sejam imunizados na fase 4. “A realidade dos pequenos municípios é diferente dos grandes. As pessoas não estão aguentando o confinamento, as crianças estão em casa, muitas delas sendo agredidas, violentadas, isso tá criando uma patologia social. Por isso, estamos nos esforçando para eles voltarem”, destacou o prefeito, Fernando Sergio, que coordena as ações de saúde na AMA.

O presidente da CNM, Glademir Aroldi, destacou que os gestores locais estão sofrendo pressão da sociedade e da imprensa para a retomada das aulas, mas disse que é necessário vacinar os profissionais da educação para possibilitar isso, assim como têm realizado outros países. “Estamos com a imprensa em cima dos prefeitos para a retomada das atividades escolares, mas os professores e outros profissionais da educação não estão incluídos nas fases iniciais. Pedimos isso ao Ministério também, mas o único retorno da pasta é o cancelamento das nossas agendas”, lamentou Aroldi.

Volta às aulas

Na rede estadual de ensino, o secretário de Estado da Educação informou, em coletiva de imprensa na semana passada, que as atividades escolares serão retomadas a partir de 1º de março, mas não necessariamente as presenciais. Estas ainda permanecem sem data definida em razão da pandemia. Segundo Fábio Guedes, a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) está preparando um plano de adequação das 310 unidades de ensino a esta realidade.

“Agora em março, nós temos uma proposta de retomada das atividades, uma espécie de preparação das escolas, planejamento das atividades escolares, acadêmicas e didáticas, não necessariamente atividades escolares presenciais, mas preparando toda a rede para um possível retorno, assim que as condições sanitárias estiverem mais próprias”, esclareceu.

“Vamos fazer um amplo plano de adequação das escolas para a pandemia, que precisam ter ventilação, álcool em gel, tapetes diferentes, enfim uma rotina diferenciada. Por isso, vamos lançar um plano estadual de retomada das aulas, mesmo que não sejam presenciais, que vai incluir recursos descentralizados da Secretaria direto para o diretor para que ele tenha autonomia para promover as mudanças”, acrescentou o governador Renan Filho durante a coletiva.



Compartilhe