Municípios

Professores de Maceió organizam paralisação de 24 horas


Valdise Alves (estagiário sob supervisão)
Fonte: Jornal de Alagoas

12/04/2021 17h45

Os professores da rede municipal de Maceió, estão organizando uma suspensão de atividades para esta terça (13) que durará 24 horas. A reivindicação da mobilização é por melhor assistência ao ensino remoto, reconhecimento de seus direitos e agilidade no pagamento dos precatórios, pela Prefeitura de Maceió. Os educadores também solicitam que seja assegurado o direito dos alunos a equipamentos, internet e kit merenda.

Em nota, o movimento dos professores de Maceió, solicita ao Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Alagoas (SINTEAL) apoio a suspensão do uso de internet e equipamentos pessoais por 24h. A paralisação terá início nesta terça-feira (13) às 00:00, com duração até às 00:00 da quarta-feira (14).

A informação sobre a paralisação foi compartilhada nos grupos de WhatsApp dos professores e alunos, de toda a capital, nesta segunda-feira (12). A categoria pede apoio dos pais e responsáveis, em favor da paralisação que tem como intuito chamar atenção das autoridades competentes, para as dificuldades enfrentadas por alunos e professores na realização das aulas remotas durante o período de pandemia.

Ainda de acordo com a publicação os educadores pedem aos alunos que fiquem de sobreaviso, caso os órgãos competentes não atenda as reivindicações da categoria, as atividades continuarão suspensas até a resolução do problema.

Em uma segunda nota divulgada pelo movimento dos professores de Maceió, os profissionais repudiam a iniciativa de diretores e diretoras para boicotar a greve.

 

Confira a nota na íntegra:

Nota de repúdio do movimento dos professores de Alagoas e de Maceió.

Caros diretores de diretoras, chegou aos nossos ouvidos a iniciativa de vocês na tentativa de boicotar as nossas reivindicação dos nossos direitos como categoria, direitos dos professores em prol da educação.

Saibam que o movimento vai continuar com sua agenda, quer vocês queiram ou não. Vocês não podem intimidar nenhum professor a dar aulas, porque sabemos de nossos direitos. Sabemos que vocês não podem prejudicar a nenhum de nós, pois nem o estado nem o município deu nenhum tipo de condições para o professor fizessem uso de equipamento para aulas online. Vocês deveriam estar ao nosso lado, afinal, vocês também têm direito às mesmas conquistas que nós. Que Deus tenha piedade de vocês.

Caros professores, estamos acobertados. Não tenham receio de fazer sua parte por  24h.

Pronunciamento da Semed:

Sobre a informação e indicativo de paralisação que circula em grupos da comunidade escolar, a Secretaria Municipal de Educação esclarece que a legitimidade para instauração de greve ou paralisação pertence á organização sindical dos trabalhadores, visto que se trata de direito coletivo.  O artigo  8° da Constituição da República Federativa do Brasil (CRFB) de 1988 estabelece que nas negociações coletivas é obrigatório a participação do sindicato profissional.

Dessa feito, é necessário a participação sindical dos trabalhadores sindical dos trabalhadores na instauração de ações como essas. Não podemos confundir essa legitimidade sindical com a titularidade do direito a greve, que pertence aos trabalhadores, pois compete ao sindicato, junto à categoria, decidir a oportunidade e os interesses a serem reivindicados por meio de greve.

 A Semed esclarece também sobre o grande esforço que vem fazendo para melhorar a estrutura das instituições escolares municipais, foram entregues equipamentos para melhorar o funcionamento e também kits de equipamentos individual, pensando também na segurança de todos os funcionários. A Semed também está estudando facilitar o acesso á internet, tanto de professores, quantos de alunos. Lembramos também, que existe uma parceria firmada com a Ufal para utilização do canal aberto para realizar as aulas de forma remota. O projeto deve Iniciar nos próximos 30 dias.



Compartilhe