Nacional

A importância dos parques na reconexão com a natureza


Fonte: Assessoria

15/07/2020 17h30

Nesta quinta-feira (16), das 15h às 17h, a Fundação SOS Mata Atlântica realizará o webinar "Os parques na reconexão com a natureza". O evento conta com apoio da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente de São Paulo e será transmitido pelo Facebook e YouTube da ONG - ative o lembrete em sua conta destas redes sociais para receber um aviso quando o evento começar. Quem fizer a inscrição prévia concorrerá a produtos da coleção SOS Mata Atlântica & Chico Rei.

Se inscreva: Aqui.

Mediado pela bióloga Erika Guimarães, o evento será dividido em dois blocos de uma hora. No primeiro, às 15h, o foco será tratar da importância dos parques para o bem-estar e saúde da população, principalmente na reconexão com a natureza pós-isolamento social. Mas, indo além desta relação homem e parque, o evento também irá propor uma reflexão sobre a situação dessas áreas, como a falta de um cadastro atualizado sobre a existência de parques municipais. Segundo estudo lançado pela SOS Mata Atlântica em 2019, apenas 25,8% das áreas protegidas municipais da Mata Atlântica registradas no estudo estavam inseridas no Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC). E somente 35% delas possuíam algum tipo de informação nos websites das prefeituras. O estudo aponta que existem mais de 2.500 áreas protegidas na Mata Atlântica. Entretanto, dados do Ministério do Meio Ambiente (MMA) apontam para aproximadamente 1.500 apenas.

Para tratar deste assunto, teremos Luiz Paulo Pinto, biólogo e consultor da Fundação SOS Mata Atlântica para Áreas Protegidas. Além dele, Anita Correia de Souza Martins, diretora da Divisão de Gestão de Unidades de Conservação da Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, falará sobre o uso público dos parques e as oportunidades que as pessoas têm para desfrutar dessas áreas. Ao término do bloco, o médico patologista e professor da USP Paulo Saldiva fará um panorama da COVID-19 em São Paulo e destacará como o controle de zoonoses pode ser fundamental para se evitar outras pandemias. Ele também destacará a relação entre saúde e a questão ambiental.

Segundo a ONU Meio Ambiente, cerca de 2 milhões de pessoas morrem anualmente em consequência de doenças zoonóticas, a maioria em países pobres. Além disso, é necessário um novo olhar às ações humanas que impulsionam essas doenças, como a exploração de ecossistemas e da vida selvagem e que tornam cada vez mais previsíveis novas pandemias.

Já no segundo bloco, às 16h, o tema será a participação social nos parques, bem como a relação com as comunidades do entorno, seus desafios, oportunidades e casos bem sucedidos. Maíra Galvanese, bióloga e gestora do Parque Natural Municipal Varginha, falará como tem visto a participação social neste parque recém aberto para a população. Segundo o estudo da SOS Mata Atlântica, parques e reservas ambientais municipais são as áreas protegidas mais próximas de 65 milhões de brasileiros e 58,4% destas áreas sofrem influência de centros urbanos e são fundamentais para a sustentabilidade das cidades e bem-estar da população.

Já Ciléia Biaggiolli, atriz palhaça, educadora e parteira, apresentará o lado do usuário de parques, não só como visitante, mas como quem vivencia as áreas protegidas como espaços para coletivos sociais, para realização de oficinas, entre outras experiências sociais como liderança local. Ao término do bloco será a vez da jornalista e colunista do UOL Ecoa, Mariana Belmont. Nascida em Colônia, extremo sul da cidade de São Paulo, ela contará um pouco de sua história como moradora do entorno de áreas protegidas e o papel das áreas verdes nas periferias.



Compartilhe