Polícia

Caso Kleber Malaquias: militares foram revelados como autores do homicídio


Redação
Fonte: NovoExtra

22/04/2021 16h00

Em coletiva à imprensa na manhã desta quinta-feira (22), os delegados Lucimério Campos, da DH de Rio Largo e José Carlos dos Santos, gerente de Estatística e Informação da Polícia Civil, deram detalhes sobre as investigações que culminaram na prisão de quatro pessoas, envolvidas na morte do empresário Kleber Malaquias de Oliveira, ocorrido no ano passado, em Rio Largo. 

De acordo com os delegados, entre os autores materiais do crime estavam dois ex-militares, que tinham sido expulsos da corporação pelo envolvimento em outros crimes, e um sargento da ativa da Polícia Militar de Alagoas. Os nomes, porém, não foram revelados em virtude da Lei de Abuso de Autoridade. 

Após obterem imagens nítidas de câmeras da região, os delegados constituíram uma série de provas técnicas sobre o que aconteceu no dia do crime. De acordo com eles, o grupo estava em contato constante, sendo que dois deles estavam na mesma mesa que Kleber Malaquias, em um bar, comemorando o aniversário do empresário. Eles teriam ido ao encontro de Malaquias, com o pretexto do interesse no aluguel de um imóvel em Rio Largo. 

Os demais estavam em um outro veículo, seguindo toda a movimentação de Kleber. Eles chegaram ao mesmo bar e sentaram na mesa do lado. Quando o empresário se levantou para ir ao banheiro, um dos homens foi atrás e atirou, a curta distância, no abdômem da vítima, que caiu no chão. Em seguida, o atirador deu outro disparo, contra a cabeça do empresário. 

"Depois de atirar, o homem saiu correndo e se deparou com uma testemunha. Ele fez sinal de silêncio, guardou a arma e saiu correndo", descreveu o delegado Lucimério Campos. 

De acordo com a conclusão dos delegados, os outros dois que estavam com Kleber Malaquias na mesa, chegaram a simular um socorro, mas já sabiam de tudo e estavam a todo momento passando informações para o outro grupo.  

"Nós estamos seguros que os quatro presos na operação de ontem tiveram participação direta no homicídio. Consideramos que a primeira fase da investigação, a execução do crime, está esclarecida", disse o delegado José Carlos. 

Um deles, o sargento da PM da ativa, já estava detido, respondendo por outro crime. Outros três foram presos durante a Operação denominada Sicário, por ser um típico homicídio mercenário, onde os executores são contratados para matar a vítima por interesses de terceiros. 

"A vítima era uma pessoa polêmica, fazia algumas denúncias, era uma pessoa que estava incomodando muita gente", pontuou o delegado José Carlos.

Os envolvidos foram detidos nesta semana pela Operação Sicários, da Polícia Civil. São eles: Jefferson Roberto Serafim da Rocha, que chegou ao local do crime junto à vítima; Marcos Maurício  Francisco dos Santos, que também estava com Malaquias; Marcelo José Souza da Silva, que dirigiu o carro preto que conduziu o pistoleiro até o Bar da Buchada; e Fredson José dos Santos, ex-militar que efetuou os disparos com uma pistola de calibre 40.

Dos quatro presos por envolvimento no assassinato do empresário Kleber Malaquias, dois são ex-PM expulsos da corporação por tráfico de drogas, um PM da ativa e o quarto suspeito seria um dos genros de um político e empresário do Pilar.
 Os quatro foram identificados pelas fotos gravadas por câmeras de ruas, em frente à Casa da Buchada, em Rio Largo, onde o empresário foi executado.
 
As fotos revelam o momento da chegada da vítima acompanhada de um dos ex-militares mais o genro do político pilarense, que seriam os “ponteiros”.
 
Em seguida as câmeras registram a chegada de um carro preto dirigido pelo PM da ativa, que conduziu o pistoleiro, ex-PM expulso por vários crimes, identificado como o último a sair do local do crime, às pressas. As câmeras da BR 104 também registraram a passagem do carro de Malaquias, que se dirigia de Maceió a Rio Largo via Mata do Rolo, para comemorar seu aniversário no Bar da Buchada, sendo acompanhado pelo veículo dos criminosos.


Os acusados
Jefferson Roberto estaria ligado a um empresário do ramo de guinchos, em Pilar. Já Marcos Maurício teria atuado como PM do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público Estadual (Gecoc), mas a informação foi negada pelo órgão.
Marcelo José, sargento da PM que já trabalhou do 8º BPM, é da região de Pilar. Ele também foi preso por outro crime. É acusado de matar um trabalhador, no Pilar, a mando de um comerciante, por questões trabalhistas
E, por último, Fredson José, ex-PM que trabalha como agente na unidade de internação para menores na capital. Ele também teria um cargo no Legislativo de Pilar.

 

O crime

O empresário Kleber Malaquias de Oliveira foi assassinado a tiros no dia 15 de julho do ano passado, em um bar na Mata do Rolo, em Rio Largo, região metropolitana de de Maceio.

Malaquias ficou conhecido por diversas denúncias feitas à imprensa e as órgãos públicos contra prefeitos e integrantes do Poder Judiciário. O corpo do empresário foi encontrado no banheiro do "Bar da Buchada". Ele teria chegado ao local momentos antes em companhia de desconhecidos. 

Em setembro de 2019, o empresário chegou a registrar um Boletim de Ocorrência por sequestro e tortura.

 



Compartilhe