Política

Renan Filho pode mudar até 5 secretários na próxima semana


Redação
Fonte: Jornal de Alagoas

29/05/2020 23h44

O primeiro escalão do governo de Alagoas passará por novas mudanças na próxima semana. Os secretários de Estado que vão disputar as eleições de prefeito terão que deixar seus cargos até a próxima quinta-feira, 4, em cumprimento a regras da Justiça Eleitoral. O prazo de desincompatibilização, no caso deles, é de quatro meses. Para servidores que não exercem funões executivas, o período para afastamento é de três meses.

Dependendo das confirmações, de três a cinco secretários deixarão suas Pastas, o que levará o governador Renan Filho (MDB) a fazer uma reformada adminsitrativa em sua gestão em plena pandemia do novo coronavírus.

Entre os possíveis candidatos estão os secretários Arthur Albuquerque (Trabalho e Emprego), Cecília Rocha (Ciência e Tecnologia), Fernando Pereira (Meio Ambiente e Recursos Hídricos), LucianoBarbosa (Educação) e Mellina Freitas (Cultura).

Dois secretários confirmaram ao blog do Edivaldo Junior que vão se desincompatibilizar de seus paras para disputar as prefeituras. Fernando Pereira, que é pré-candidato a prefeito de São Miguel dos Campos pelo PP. “Estou pronto para luta. Essa semana me desincompatibilizo”, disse Pereira

A secretária Cecília Rocha (PSC) também confirma que pretende ser candidata a prefeita de Atalaia e vai definir a desincompatibilização numa conversa com o governador Renan Filho (MDB) no início da semana.

Os demais secretários ainda não confirmaram publicamente o afastamento de seus cargos até o momento. Mas segundo informações de bastidores, Mellina (MDB) e Arthur (PTB) podem disputar as prefeituras de Piranhas e Limoeiro de Anadia, respectivamente.

Já o vice-governador Luciano Barbosa (MDB) já disse, nos bastidores, que pretender ser candidato a prefeito de Arapiraca, mas nunca confirmou publicamente essa informação

Prazos

Todos os prazos previstos pela Justiça Eleitoral estão mantidos. E, no momento, a tendência é manter a eleição no dia 4 de outubro. Um possível adiamento por um ou dois meses vai depender da evolução da pandemia do novo coronavírus no Brasil. Mas mesmo que ocorra o adiamento, os prazos que valem são os atuais.

Especialista em matéria eleitoral, inclusive jurídica, o presidente do PRTB em Alagoas, Adeilson Bezerra, explica que uma PEC de adiamento das eleições só será aprovada se “realmente for necessária e só será aprovada final de junho ou início de julho”.

“Até lá, todas as regras eleitorais estão vigentes; o que o TSE poderá alterar, segundo a PEC, são ajustes na legislação que inclui toda a burocracia do processo eleitoral. No tocante a data da convenção, o próprio TSE já admitiu que pode ser virtual, mas se houver consenso no Congresso esta data poderá ficar para agosto ou setembro”, aponta Bezerra.

O que muda

O que se espera não é uma grande mudança nessas pastas. O provável é que as secretarias continuem com os atuais grupos indicando os substitutos no caso de desincompatibilização: os Pereira na Semarh, Barbosa na Educação, Albuquerque na Sete. Na Secti, existe dúvida se o governador manterá um nome ligado a Cecília Rocha ou se abrirá, conforme compromisso anterior, espaço para o PRTB.

Renan Filho e Fernando Pereira, durante posse do secretário - Foto: Agência Alagoas
Renan Filho e Cecília Rocha, durante posse da secretária - Foto: Agência Alagoas


Compartilhe