Política

Mesmo sem partido Luciano Barbosa não se sente afetado na disputa em Arapiraca


Fonte: Gazetaweb

24/10/2020 12h52

Depois de uma importante vitória no início da semana com o Ministério Público Eleitoral, que deu parecer favorável à sua candidatura a prefeito, em Arapiraca, Luciano Barbosa (MDB) terminou a semana encarando o revide dos "companheiros" do Diretório Estadual que aprovaram sua expulsão do partido. A medida, porém, conforme sua defesa não interfere no processo eleitoral já que o mais importante é que o rito partidário e jurídico que o indicaram como candidato teve uma posição favorável.

"Não muda absolutamente nada. Todos os atos praticados pelo MDB Estadual já estão submetidos a análise de legalidade da Justiça Eleitoral. Primeiro, o processo ético tem que ser válido, segundo a Lei 9.504/97, que é a Lei das Eleições, e segundo, a expulsão só produz efeito com o final do processo, desde que seja garantido o contraditório e a ampla defesa, cuja análise compete a Justiça Eleitoral. O rito é muito simples", explicou o advogado Fábio Gomes à Gazeta. 

Barbosa, por sua vez, preferiu manter-se em silêncio para não acirrar ânimos de forma desnecessária e ao invés disso acabou motivando ainda mais sua equipe para a agenda de campanha pelas ruas da cidade. 

Procurada, sua assessoria voltou a confirmar que ele segue a agenda ficando a cargo da equipe jurídica as questões dos bastidores das eleições. A maior expectativa, porém, é para a decisão da próxima semana da juíza eleitoral Ana Raquel Gama que vai dar seu parecer sobre a indicação do MP Eleitoral que reconheceu a legalidade da Convenção Municipal, comandada pelo Diretório Municipal do MDB e já reconheceu sua candidatura. 

Em geral, posições assim costumam ser seguidas pelo juízo, porém, em conformidade com a própria lei a magistrada tem total independência para ter posicionamento diferenciado. Ainda assim, vale lembrar que ela já julgou improcedente ação dos adversários de Barbosa que tentaram impugnar sua candidatura.

IRA

Para ser candidato em Arapiraca, Luciano Barbosa enfrenta a ira do governador Renan Filho (MDB) e do pai, o senador Renan Calheiros (MDB). Isto porque sua entrada na disputa, com plenas possibilidades de sair vitorioso atrapalha os planos da família de ver mais um calheiros no senado. É que sem Luciano Barbosa na condição de vice, caso seja eleito, Renan Filho que pela legislação terá que se afastar seis meses antes do pleito e teria que entregar o comando do Estado ao presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Victor (Solidariedade). O problema, porém, é que ele integrante do grupo político do deputado federal Arthur Lira (Progressistas) que pode disputar o governo do Estado. Ou seja, se não quiser ver a máquina pública que lhe favorece a sua família nas mãos dos adversários Renan Filho teria que abortar seus planos de se eleger senador.



Compartilhe