Política

Conselho Superior do MPAL afirma total confiança nas eleições de Marechal Deodoro


Redação
Fonte: MPAL

19/11/2020 20h07

Nesta quinta-feira (19), o Conselho Superior do Ministério Público do Estado de Alagoas (CSMAL) divulgou uma nota dizendo que não houve fraude no resultado das eleições do município de Marechal Deodoro no último domingo (15). Em trecho do que foi divulgado, o MPAL afirma acreditar que “todo o processo relativo às eleições transcorreu de forma pacífica e honesta, observando o pleno ordenamento jurídico vigente”. Com diferença de 21 votos, o pleito resultou na reeleição do atual prefeito, Cláudio Filho.

Na manhã do mesmo dia, um protesto contra o resultado das eleições foi realizado em frente ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE) no bairro do Farol, em Maceió. Os protestantes afirmam que existem provas de crime eleitoral e exigiam reunião com o TRE, mas não foram acatados.

Confira a nota na íntegra:

O Conselho Superior do Ministério Público do Estado de Alagoas (CSMAL) vem a público reafirmar total confiança no trabalho realizado pelo Ministério Público Eleitoral da 26ª Zona –Marechal Deodoro – e pela Justiça Eleitoral, em razão do pleito ocorrido naquele município, no último dia 15.

O órgão colegiado do MPAL acredita que todo o processo relativo as eleições transcorreu de forma pacífica e honesta, observando o pleno ordenamento jurídico vigente, dentre outras coisas, em razão das grandezas profissional, intelectual e moral dos membros e servidores do Ministério Público e do Poder Judiciário que fiscalizaram a eleição.

Toda a estrutura montada para que o povo pudesse exercer o seu dever de voto correspondeu a organização necessária para que esse ato de cidadania pudesse ocorrer sem quaisquer intercorrências, o que só corrobora com a certeza de que o pleito não pode ser questionado, sob hipótese alguma.

Além disso, o Conselho entende que o sistema eleitoral braseiro é de total confiança, sendo exemplo para o mundo. E, exatamente por essa razão, pede para que coligações e população respeitem a vontade democrática das urnas.

Foto: Divulgação


Compartilhe