Política

Rui Palmeira poderá disputar governo em 2022


Redação
Fonte: Blog Edivaldo Júnior

05/03/2021 12h30

Após 8 anos como prefeito de Maceió, Rui Palmeira (sem partido) fez uma curta pausa de "férias" para descansar. Mas já está de volta ao dia a dia da política menos de dois meses depois de ter passado o bastão para seu sucessor – e opositor – JHC.

Segundo informações veiculadas no Blog do jornalista Edivaldo Júnior, o ex-prefeito tem conversado com aliados e tenta manter tanto quanto possível o nome lembrado.

Na terça-feira (2), Rui estreou o “Papo de Boa”, quadro semanal transmitido pelas redes sociais, onde em cada edição ele promete uma conversa franca sobre vários assuntos relevantes.

No primeiro papo, Palmeira abordou “A Nova Política e os Outsiders” e respondeu algumas perguntas. Dentre os questionamentos, alguns internautas perguntaram ao ex-prefeito se ele seria candidato em 2022. Ao que tudo indica, a resposta foi positiva, e a julgar pela leitura que pode ser dada a sua resposta, Rui vai tentar disputar o governo.

“Tem aqui uma pergunta… se vou ser candidato em 2022… provavelmente serei candidato, obviamente não sei a que cargo. Uma eleição majoritária não depende de vontade própria. Quando fui candidato a prefeito de Maceió, havia uma aliança, vários partidos me apoiaram e por isso a candidatura foi viabilizada. Uma candidatura ao governo e ao Senado não é construída de forma isolada. Então a gente precisa começar a dialogar e buscar. E ano que vem a gente vai ver o que virá pela frente, mas certamente serei candidato, mas não sei que cargo a gente vai disputar em 2022”, disse.

Provavelmente, Rui tenta viabilizar uma disputa ao governo, no entanto, de acordo com o jornalista, ele também mira a Câmara dos Deputados.

O desempenho de JHC será decisivo. Se for acima do esperado, Rui se inviabiliza. Se o atual prefeito cometer erros, o ex cresce e entra forte no jogo da sucessão de Renan Filho. 

Sobre nova política e outsiders, o ex-prefeito ficou nas amenidades. Ele afirmou que acredita mesmo é na “boa política”, de quem quer servir a população.

 



Compartilhe