Pop & Arte

Natasha Wonderfful: Arte e Militância é novo vídeo apresentado pela Diteal


Fonte: Ascom Diteal

08/08/2020 09h30

A arte é livre, democrática, inclusiva, de todos e para todos. É por meio dela que o grupo Transhow, coordenado pela artista Natasha Wonderfull, dá visibilidade ao universo trans, revelando suas nuances, repletas de cores, movimentos, mensagens de conscientização em busca de um mundo melhor, sem preconceito e violência, com respeito, empatia e amor.

Este trabalho pode ser visto em mais um vídeo da série produzida pela Diretoria de Teatros do Estado de Alagoas (Diteal), que apresenta performances da Natasha Wanderfull ao som de Elza Soares, além de depoimentos da artista, de integrantes do grupo Transhow e do gerente artístico e cultural da Diteal, Alexandre Holanda, disponível nas redes sociais do Teatro Deodoro, site diteal.al.gov.br e pelo canal no YouTube do Teatro Deodoro.

 “É uma grande satisfação para a Diteal mostrar o trabalho e contar a trajetória da artista Natasha Wonderfull, que está sempre interagindo nos palcos administrados pela Diteal, ela é uma referência entre as transsexuais e seu público pela forma como atua. Convidamos a todos para que assistam ao vídeo e conheçam um pouco do rico universo da diversidade artística e humana”, disse a diretora presidente da Diteal, Sheila Maluf. 

 O vídeo começa com Natasha Wanderfull em performance na música “País do Sonho”, composição de Chapinha da Vela e Carlinhos Palhano, interpertada por Elza Soares e segue com o depoimento da artista. “Sou Natasha Wonderfull, mulher negra, feminista, luto pelas nossas causas. Quando a gente fala em políticas públicas, é para todas as mulheres trans, são pessoas que vivem em vulnerabilidade social. Eu trabalho com Consultório na Rua, de Maceió, faço parte da Antra. Sou atriz, também faço arte transformista, como vocês viram (no vídeo). Adoro Elza Soares, essa mulher negra, que nos representa, me identifico muito com ela porque nós travestis somos ela, mulher negra, que sofre preconceito pela cor da pele e o gênero”, conta a artista.

 Formada em Enfermagem, Natasha resolveu empreender mais em sua grande paixão: a arte e criou o grupo Transhow, foi quando procurou a Diteal e passou a realizar espetáculos no palco do Teatro de Arena Sérgio Cardoso, sempre com belo, representativo e importante repertório e público fiel, cativo.

 “Viemos para o Teatro de Arena, essa casa maravilhosa, onde a gente beija o chão. O teatro é a vida, é amor, eu amo isso, o Arena, pra mim, é tudo. A gente é muito bem acolhida. Começamos em 2015, no teatro, até a data presente. Quando a pandemia acabar e a vacina (da Covid-19) chegar, nós vamos abrir um espetáculo maravilhoso, o Circo, vamos lotar o Arena. A nossa proposta é, no futuro, fazer projeto no Teatro Deodoro, mas sem esquecer o Arena. O teatro, pra gente, é um templo, uma igreja”, revela Natasha.

 A gravação segue com depoimento do gerente artístico e cultural da Diteal, Alexandre Holanda. “É com muita satisfação que a Diteal abre o espaço, abre as cortinas, para Natasha Wonderfull. Ela nos procurou há um tempo, querendo ocupar os palcos da cidade, veio com determinação para trazer arte, inclusão, visibilidade para um movimento tão importante e casou com a perspectiva de um palco oficial, de instituição pública, que é de abraçar os artistas, trabalhar constantemente a inclusão. A gente foi percebendo, ao longo dos anos, o quanto isso foi significativo. Este momento é para falar com muita gratidão, de perceber a importância de um espaço público, de abraçar e abraçar é não discriminar – o que não é uma qualidade, é a essência do ser humano: respeitar a identidade de cada um, a arte de cada um, o que cada um tem a dizer e dar o direito de ser o que é, amar quem quiser amar, fazer com dignidade, respeito ao próximo, e, neste caso específico, com arte. A Natasha é uma grande artista”, pontuou Alexandre.

 O audiovisual conta, ainda, com depoimentos da artista Suhan Torres e Rodrigo Gonçalves, Terapeuta Ocupacional, ambos do Transhow.

 “Acompanho o Transhow desde a fundação da Associação Cultural de Travestis e Transsexuais (Actrans) e do início da relação com o Teatro de Arena, acompanho as meninas. E é uma relação muito íntima, o teatro proporciona vários momentos importantes para essas mulheres, como questões de motivação e afeto, que, às vezes, elas não encontram na rua e podem encontrar no espaço do teatro e, também o lado do profissionalismo, que as tiram da vulnerabilidade, da prostituição na rua, e trazem para a questão cultural, da arte no teatro. Quando a gente vai pensar no teatro como um espaço institucional, público, tendo essas meninas sendo acolhidas nesse espaço, é algo muito incrível, porque, grande parte dos espaços está se fechando, as portas são quase todas fechadas para essa população e aqui é diferente”, observa Rodrigo Gonçalves, em seu depoimento no vídeo.

 Para finalizar, Natasha Wonderfull encerra com “Brasis”, composição de Seu Jorge, Gabriel Moura e Jovi Joviniano, na voz marcante e representativa de Elza Soares. Com brilho nos olhos, na roupa, no engajamento e na expressão artística, Natasha segue como a canção: procurando encontrar um país mais humano, afetuoso e justo.  



Compartilhe