Rural

NE terá ampliada a cota americana de exportação de açúcar


Fonte: Assessoria

28/09/2020 08h00

O presidente da Associação dos Plantadores de Cana do Estado de Alagoas (Asplana), Edgar Filho, declarou que a cota adicional de açúcar brasileiro para os EUA, que passou de 230 para 310 mil toneladas e que, por lei, beneficiará exclusivamente os produtores do Nordeste, trará ganhos para o setor canavieiro da região.

“Para nós fornecedores, quanto maior a cota americana melhor. Vamos ter reflexo positivo no preço do Consecana, apesar que o nosso percentual é pequeno. O açúcar VHP tem 44% de peso, o cristal 15% e o mercado americano 4%. Mas, de qualquer forma, trata-se de uma medida positiva”, afirmou Edgar Filho.

De acordo com o dirigente, que representa os mais de sete mil fornecedoresde cana de Alagoas, o governo brasileiro estaria tentando obter uma contrapartida com os Estados Unidos com relação a abertura da importação de etanol americano, que teve ampliado o prazo para a importação do produto. “Essa medida tenta compensar as usinas do Nordeste que foram impactadas com a questão do mercado americano”, destacou.

No início desta semana, o presidente Jair Bolsonaro anunciou nas redes sociais que o Brasil receberá uma cota adicional para exportar, com imposto reduzido, 80 mil toneladas de açúcar para os Estados Unidos. “O Representante Comercial dos EUA (USTR) comunicou hoje (segunda-feira) ao chanceler Ernesto Araújo que o Brasil receberá uma cota adicional de 80 mil toneladas de açúcar no mercado americano. Trata-se já do primeiro resultado das recém-abertas negociações Brasil-EUA para o setor de açúcar e álcool, conduzidas no Brasil pelo MRE e nos EUA pelo USTR”, destacou o Bolsonaro.



Compartilhe